‘Semana Respeita Nosso Sagrado’ tem propósito de combater a intolerância religiosa

0
636
Foto: Elisângela Leite/Quiprocó Filmes

No dia 18 de novembro, quarta-feira, às 19h, os líderes religiosos Yá Meninazinha de Oxum e Babá Adailton de Ogum participam da live ‘A trajetória da campanha ‘Liberte O Nosso Sagrado’ no canal do YouTube da Quiprocó Filmes. Mediada por Fernando Sousa e Jorge Santana, diretores do documentário ‘Nosso Sagrado’, a iniciativa faz parte da Semana Respeita o Nosso Sagrado realizada em celebração ao Dia Nacional da Consciência Negra.

Além da reunião para falarem sobre a luta contra o racismo e a intolerância religiosa, irão contar o desenrolar da história da coleção que ainda leva o nome de ‘Museu Magia Negra’ e o processo para libertar mais de 500 objetos sagrados que estavam há mais de 100 anos no antigo DOPs do Rio de Janeiro, e que atualmente estão no Museu da República. 

A Semana Respeita o Nosso Sagrado, produzida pela Quiprocó Filmes, conta com uma programação que envolve o debate sobre liberdade religiosa, memória e identidade das religiões de matrizes africanas. Além, também, do lançamento do vídeo sobre o processo de assinatura do termo de cessão e a transferência dos objetos sagrados do Museu da Polícia Civil para o Museu da República.

O seu primeiro conjunto do acervo reunia 126 peças que, em 1938, foram tombadas pelo então Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-SPHAN, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-IPHAN, constituindo o primeiro tombamento etnográfico do país inscrito no Livro do Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico. Neste ano de 2020, a transferência desses objetos para o Museu da República foi acordada entre a Secretaria de Estado da Polícia Civil, o Museu da Polícia do Rio de Janeiro, o Instituto Brasileiro de Museus e o Museu da República, com amplo apoio do povo do terreiro, do Instituto Ibirapitanga, artistas e intelectuais engajados na campanha ‘Liberte Nosso Sagrado’, formalizada em 2017 para reivindicar a retirada desse acervo do Museu da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Comments