Por que vocês acham que a relacionamentos interraciais são incentivados no Brasil desde a pós escravidão? Por que o Brasil adora negros e casais interraciais ou vocês acham que tem motivações racistas por trás disso?

Quem achou a segunda opção está certo.

Entre a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX, vigoraram em várias partes do globo as teses eugenistas, isto é, teses que defendiam um padrão genético superior para a “raça” humana. Tais teses defendiam a ideia de que o homem branco europeu tinha o padrão da melhor saúde, da maior beleza e da maior competência civilizacional em comparação às demais “raças”, como a “amarela” (asiáticos), povos indígenas e a negra (africana).

Nesse período, alguns intelectuais brasileiros incorporaram essas teses e delas derivaram outra, por sua vez, “aplicável ao contexto do Continente Americano: a “tese do branqueamento.” A defesa do branqueamento, ou do “embranquecimento”, tinha como ponto de partida o fato de que, dada a realidade do processo de miscigenação na história brasileira, os descendentes de negros passariam a ficar progressivamente mais brancos a cada nova prole gerada.

No Brasil, se defendia o fator da miscigenação como algo positivo, por conta da sobreposição dos traços da raça branca sobre as outras, a negra e a indígena.

O que isso quer dizer? A miscigenação passou a ser vista como uma poderosa forma de branquear/higienizar a sociedade brasileira.

Cenas do filme Get Out (Corra!)

O antropólogo brasileiro, eugenista, João Baptista de Lacerda em um texto publicado em 1911 diz o seguinte:

“A população mista do Brasil deverá ter pois, no intervalo de um século, um aspecto bem diferente do atual. As correntes de imigração europeia, aumentando a cada dia mais o elemento branco desta população, acabarão, depois de certo tempo, por sufocar os elementos nos quais poderia persistir ainda alguns traços do negro.”

Percebe-se nitidamente nesse trecho o teor do anseio pelo branqueamento.

As lideranças do país no final do século XIX e início do século XX acreditavam que o território brasileiro era “sem futuro”, pois a quantidade dos povos mestiços (não brancos) era imensa.

Com o fim da escravidão em 1888 (132 anos atrás) o Brasil não criou nenhum tipo ação para incluir os negros no mercado de trabalho. Ao contrário, o país passou a fomentar a vinda de europeus, que fugiam da revolução industrial, para trabalhar aqui no país.

O Brasil literalmente dava terras e trabalhos para que esses brancos se misturassem aos nossos negros e dessa forma a nossa sociedade seria cada vez mais brancas nas próximas gerações e foi a partir disso que a miscigenação passou a ser fomentada. Como um plano para branquear a sociedade brasileira.

Na constituição brasileira de 1934 (apenas 85 anos atrás) havia textos que falavam que era responsabilidade do estado brasileiro fomentar a educação eugenista no país. Ou seja, há 80 anos atrás o estado brasileiro era declaradamente racista e acreditava nas teorias de superioridade racial branca e tinha como objetivo essa miscigenação para a higienização da raça brasileira.

Por que eu estou contando tudo isso? Pra explicar pra vocês que a raiz da glamourização da miscigenação é racista.

Nós negros nascemos e somos criados de forma a não desejarmos nos casar entre nós. Os meninos nascem e crescem numa sociedade que vê como objetivo o rapaz negro encontrar uma moça branca e se casar e não há incentivo do contrário.

Tudo isso gera o que? As mulheres negras são as que menos se casam e tem relacionamentos estáveis no país. Os homens negros sonham em conquistar uma mulher branca e não querem relacionamentos com negras.

Ao mesmo tempo mulheres negras preferem homens brancos. Mas não é recíproco. Os brancos são os que mais casam e se relacionam entre eles e a balança se torna injusta nesse sentido.

Todos nós sabemos que a atração física influenciada pelos padrões brancos, influencia no amor, na paixão.

Caso contrário, se o amor não tivesse nenhum tipo de contaminação social europeia porque os negros são os que menos se casam e tem relacionamentos estáveis?

Eu não estou falando de mim ou de você, não de indivíduos, não de exceções, estou falando de toda uma sociedade.

Observem, nossos negros famosos e ricos, quantos deles estão em relacionamentos com mulheres brancas e quantos estão com mulheres negras? Observe a preferência dos nossos jogadores de futebol negros.

Quantos casais negros famosos nós podemos citar no país? Lázaro Ramos e Tais Araújo? Quantos mais?

Quantas vezes, eu enquanto jovem não repetia e ouvia a a frase: “De preto basta eu!”

Mas então você está dizendo que é errado o relacionamento interracial? Não, pelo amor de Deus, não é esse o ponto.

O que estou querendo dizer é que a miscigenação no Brasil fez e faz parte da institucionalização do racismo e isso gera reflexos nos números da população negra e por isso falar sobre isso é importante.

Mas Levi, você acha bacana atacar casais interraciais online?

Não, não acho também.

Primeiro porque eu não acredito que fazer isso terá algum efeito positivo. As pessoas preferem não entender as coisas e a militância negra, ao fazer isso, como fizeram com Erika Januza ou Nego do Borel, acaba por se colocar ainda mais na linha de frente para que brancos racistas os criticarem.

Segundo que eu não acredito que esse seja um problema individual e sim coletivo, então atacar individualmente as pessoas não vai resolver.

Terceiro que eu não acredito que culpar o negro por preferir ficar com uma branca do que com uma negra seja o certo. Nós nascemos e crescemos recebendo mensagens racistas pela sociedade o tempo todo que nos condiciona a preterir os negros e negras. Com isso, culpar o jovem ou a jovem negra é basicamente tirar a responsabilidade desse problema da nossa sociedade racista e colocar nas costas do negro. É como dizer que os negros são os próprios racistas.

A crítica é ao coletivo. Não ao indivíduo. É sobre discutir esses padrões e fazer com que relações interraciais sejam criadas na base certa e não com essa base racista e eugenista que infelizmente o Brasil tem hoje.

E brancos, pensem um pouco. Porque vocês casam entre vocês e ninguém questiona isso?

Por que quando a militância negra fala sobre negros casarem com negros vocês chamam de segregação?

A nossa sociedade JÁ É SEGREGADA e não é porque a militância hoje busca valorizar o casamento entre negros, mas sim porque existe um HISTÓRICO RACISTA NO NOSSO PASSADO.

Devemos sim discutir o assunto. Desconstruir o preconceito criado na cabeça dos negros e da sociedade como um todo para que passem a ver os negros como dignos de amor e paixão assim como fomos ensinados a ver os brancos.

Essa discussão não é sobre proibir casais interraciais, mas sobre democratizar os relacionamentos.

Tornar belo o negro com negro também!

E fazer com que a criação dos casais interraciais seja feita de forma saudável e não porque a sociedade fomenta o embranquecimento de nossa sociedade desde o fim da escravidão.

Aprendeu, não é meu filho? | Cena do filme Queen & Slim

Comments