“Nossa perspectiva é continuar lutando”, Renato Emerson e Aza Njeri avaliam impacto do fechamento da UFRJ

0
“Nossa perspectiva é continuar lutando”, Renato Emerson e Aza Njeri avaliam impacto do fechamento da UFRJ
Na avaliação de Renato Emerson dos Santos, os cortes de orçamento na UFRJ e em todo o Brasil revelam o desejo de impedir que a produção de conhecimento revele dados e informações importantes sobre a realidade do Brasil.

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) só tem recursos para manter as portas abertas até julho deste ano. A informação foi dada pela reitora da instituição, Denise Pires de Carvalho em artigo no jornal O Globo.  O orçamento de 2021 da instituição é semelhante ao orçamento de 2008, quando a instituição tinha 34 mil estudantes de graduação. Hoje, são 57 mil.

Para Aza Njeri, professora doutora em literaturas africanas e pós-doutora em Filosofia Africana pela UFRJ, a precarização da universidade é presente há muitos anos nas faculdades de Ciências Humanas, mas classifica o momento atual como “avassalador”.

“O fechamento de uma das maiores universidades do mundo – a UFRJ figura entre as 250 melhores universidades do mundo, à frente de universidades como a Sorbonne, por exemplo, tem um impacto avassalador. Agora, a gente tá falando de não ter dinheiro para pagar contas básicas, como água, internet, saneamento e segurança”, explica. 

Para Aza Njeri, o fechamento de uma das maiores universidades do mundo é avassalador.

Antes de chegar a esse ponto, outros cortes já vinham acontecendo nas universidades do Brasil. De acordo com a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), o corte de verba para as políticas de permanência nas universidades federais foi de R$ 177 milhões em todo o Brasil. Muitos estudantes só conseguem se manter estudando por meio deste incentivo.

“A gente sabe que estudar é caro, e estamos em um cenário de pandemia em que as pessoas estão perdendo emprego, estão perdendo as casas, estão passando fome. Então, o apoio das Universidades para que não haja um abandono dos estudos é essencial, e isso também não vai mais ter”, lamenta. 

Na avaliação de Renato Emerson dos Santos, professor adjunto do Instituto de Pesquisa e Planejamento Regional da UFRJ, os cortes de orçamento na UFRJ e em todo o Brasil revelam o desejo de impedir que a produção de conhecimento revele dados e informações importantes sobre a realidade do Brasil. 

“A Universidade faz pesquisas que ajudam a revelar o quadro da nossa sociedade. Se não tem essas pesquisas, não temos como produzir diagnósticos e formular políticas de mitigação, por exemplo, dos impactos da pandemia. Outros órgãos também passaram por isso, como o IBGE e o INPE, em 2019, quando o órgão começou a revelar o aumento do desmatamento da Amazônia” relembra o professor.

Mas qual seria, então, a perspectiva de reversão do cenário de encerramento das atividades da UFRJ? Para Renato Emerson, só há um caminho. “Nossa perspectiva é lutar. Não há outra perspectiva para nós, a não ser lutar pela recomposição do financiamento público à universidade. A universidade brasileira tem que ser pública, gratuita, de qualidade e democratizada. Nós, através do Movimento Negro, conseguimos trazer a democratização como uma meta da universidade, e é exatamente neste momento que os ataques são mais radicalizados”, define.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display