No livro ‘Preta Potência’ Adriana Barbosa conta como criou o ‘Feira Preta’, maior evento de cultura negra da América Latina

0
428
Foto: Jef Delgado

Adriana Barbosa CEO da Pretahub sempre sonhou com um lugar que reunisse samba, black music e cultura afro e que atraísse pessoas interessadas em vender, comprar e consumir objetos, roupas, músicas e palestras produzidos por e para negros. A empreendedora é a criadora do maior evento de cultura e empreendedorismo negro da América Latina, a Feira Preta, e hoje é reconhecida no Brasil e no exterior como um dos nomes mais influentes na valorização da cultura e potência empreendedora da população negra.

No livro ‘Preta Potência’ Adriana conta como a resistência e a ancestralidade a ajudaram a criar o maior evento de cultura negra da América Latina, a obra é lançamento de fevereiro da editora HarperCollins. Em ‘Preta Potência’, a empreendedora reconhecida pelo MIPAD como uma das mulheres negras mais influentes do mundo conta os inúmeros desafios e aprendizados em quase 20 anos de realização da Feira, destacando a importância do empreendedorismo, da ancestralidade e da coletividade para o fortalecimento da cultura negra no país.

Mais do que um evento bem-sucedido, que já movimentou mais de 6 milhões de reais e atraiu mais de 200 mil pessoas em quase duas décadas de existência, o livro mostra como a Feira Preta tornou-se um importante polo de representatividade da pluralidade cultural e inventividade negra no país, responsável por trazer para o palco, artistas como Dona Ivone Lara, Paula Lima, Criolo, Mano Brown, Emicida e Ricon Sapiência, ou a criadora de conteúdo digital e apresentadora de TV Ana Paula Xongani, além de atuar como vitrine de mais de mil afroempreendedores do Brasil, da África e da América Latina.

Adriana destaca que, desde a primeira edição do evento, conta com uma rede de apoio e ação crescentes, capaz de transformar seu sonho em um ideal compartilhado por mulheres e homens negros.

“No ano em que a Feira Preta completa 20 anos, este livro traz uma série de memórias de uma trajetória escrita por muitas pretas potências, que começa lá atrás, ainda na época da escravidão, e das inúmeras lutas travadas diariamente para a realização de um sonho. Traz um olhar histórico sobre o movimento negro no Brasil”, observa.

“E, como não podia deixar de ser, apresenta uma perspectiva coletiva e comunitária, partindo da rede do matriarcado das mulheres negras da minha família e de muitas histórias de mulheres negras empreendedoras que conheci por este Brasilzão. Usei a capacidade intelectual que minhas antepassadas haviam transmitido a mim como uma herança: a habilidade de transformar escassez em abundância”, completa.

Na obra, Adriana vai além dos bastidores da Feira Preta e de sua própria trajetória profissional e conta sobre outras iniciativas implementadas por homens e mulheres negros em São Paulo – do Quilombo de Saracura, na região de Bela Vista, para onde muitos fugiram durante a escravidão, desde o século XIX, dando origem a um polo de resistência na capital paulistana, ao Aristocrata Clube, criado por pelo menos 50 famílias negras na década de 1950, considerado o clube negro mais luxuoso do país.

Independente da iniciativa, o que a autora destaca, em Preta Potência, é aquilombamento e a força do coletivo na luta por representatividade na cultura negra e, sobretudo, a importância de poder contar e fazer a salvaguarda dessas memórias.

A obra conta com colaboração da educadora e doutora em linguística aplicada Ana Lúcia Silva Souza, da jornalista, escritora e documentarista Semayat Oliveira, e da jornalista e mestra em comunicação e cultura Chris Gomes.

Sobre a autora:

Adriana Barbosa é fundadora da Feira Preta, maior evento de cultura e empreendedorismo da América Latina, e CEO da PretaHub. Em 2017 foi homenageada junto a Lázaro Ramos e Taís Araújo como os 51 negros com menos de 40 anos mais influentes do mundo, segundo o Mipad, premiação mundial, reconhecida pela ONU. Em 2019 venceu, com a aceleradora PretaHub, a categoria Troféu Grão do Prêmio Empreendedor Social, promovido pela Folha de S. Paulo, e também foi premiada na categoria Empreendedorismo e Negócios do Prêmio CLAUDIA 2019. Recentemente foi reconhecida como a primeira mulher negra entre os Inovadores Sociais do Mundo no Ano, pelo Fórum Econômico Mundial, e premiada pelo Prêmio Sim à Igualdade Social, por sua trajetória empreendedora.Adriana tem 43 anos, é paulistana, formada em Gestão de Eventos, pela Universidade Anhembi Morumbi, e pós-graduada em Gestão Cultural na USP.

Informações do livro:

Formato: 13,5×20,8cm

Páginas: 224

ISBN: 9786555111057 (brochura); 9786555111033 (e-book)

Preço: R$39,90

Comments