Bem feito: Racismo do Youtuber-Influenciador Júlio Cocielo espanta seus patrocinadores

0
3485

O youtuber Júlio Cocielo, anteriormente conhecido por seu jeito “engraçado” entre adolescentes, foi desmascarado no último dia 30, durante o jogo da França x Argentina, quando externou seu racismo em um tuit dizendo o seguinte: “Mbappé conseguiria fazer uns arrastão top na praia hein“.

O post se referia ao jogador francês, Kylian Mbappé, e causou alvoroço nas redes sociais. Logo as pessoas passaram a questionar Cocielo pelo que foi dito e ele alegou ser uma “piada”, relacionada a “velocidade” do jogador e não um comentário de cunho racista. Em seguida a polêmica, o youtuber apagou o tuit, mas foram descobertos outros.

Após ser desmascarado pelo público, Cocielo apagou mais de 50 mil tuits e usuários das redes sociais começaram a cobrar posicionamento das marcas que o apoiavam, como a Coca-Cola, Submarino e o Banco Itaú. Segundo o levantamento do Google, publicado pelo site Meio & Mensagem, o youtuber aparece entre as dez personalidades de vídeo que mais influenciam os jovens, junto a nomes como Flavia Calina, Felipe Castanhari e Felipe Neto.

Em nota enviada ao Meio & Mensagem, a Coca-Cola, que teve Cocielo como garoto-propaganda nas Olimpíadas de 2016, afirmou que não possui mais nenhuma ligação com o youtuber e que não tem planos para qualquer futura parceria. “O respeito à diversidade é um dos principais valores da nossa companhia, em nossas campanhas celebramos as diferenças e promovemos a união. Manifestações preconceituosas não são toleradas. Repudiamos qualquer forma de racismo, machismo, misoginia ou homofobia”, diz a nota.

O Itaú afirmou em comunicado que “repudia toda e qualquer forma de discriminação e preconceito. Esperamos que o respeito à diversidade sempre prevaleça”. O banco exibiu até o sábado, 30, um vídeo para a Copa que aparecia Cocielo, que já foi substituído.

Em entrevista ao site, Meio & Mensagem, Danilo Strano, diretor de planejamento da plataforma de marketing de influência Tubelab, explica que o caso traz aprendizados na relação entre marcas e influenciadores e que é importante a percepção enquanto figuras públicas, que devem filtrar os comentários referentes a qualquer assunto.

Esse tipo de polêmica reforça a necessidade das marcas em realizar o histórico dos criadores de conteúdo, até para ponderar a conexão dos comentários do influenciador com os valores da companhia. Quando Júlio Cocielo fez os primeiros comentários, em 2010, estava no começo da carreira; por isso, não representava nenhum grande perigo para nenhuma marca. Hoje, qualquer comentário que ele fizer pode representar algum tipo de ameaça, ainda mais quando trata de aspectos socioeconômicos”, analisa.

Comments