O Pacto Global da ONU no Brasil, maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo, reuniu – no dia 28 de novembro, em Genebra, Suíça, representantes brasileiros dos setores público e privado e da sociedade civil para o encontro: Diversidade, Igualdade e Inclusão: Movimentos de Direitos Humanos para Alcançar a Ambição 2030.

A agenda ocorre no âmbito do 11º Fórum Mundial de Empresas e Direitos Humanos da ONU, que aconteceu entre os dias 28 e 30 de novembro, na sede da ONU, nos quais temas como diversidade de gênero e racial permearam as discussões dos principais painéis, trazendo à luz a importância de avançar em temas como a inclusão e equidade e de pessoas negras, indígenas e transexuais no ambiente corporativo.

É a primeira vez que uma composição brasileira diversa em raça, etnia e identidade de gênero esteve em Genebra, dentro da programação oficial. Nomes como: Fernanda Ribeiro, Sócia e COO da Conta Black, Rachel Maia, CEO da RM Consulting, Raquel Virginia, CEO da Nhaí!, agência de ideias na área de diversidade, Lisiane Lemos, Executiva especialista em transformação digital, diversidade e Co-Fundadora do programa C101, Ana Fontes, Fundadora da Rede Mulheres Empreendedoras e Instituto RME, Juliana Souza, Advogada, Ativista e Presidente do Instituto Desvelando Oris, Du Migliano, CEO da 99 jobs, e Juliana Oliveira, CEO da Oliver Press Comunicação.

Reunir uma delegação tão diversa é parte da iniciativa do Pacto Global da ONU no Brasil para impulsionar o Movimento Raça é Prioridade, lançado recentemente em parceria com o CEERT (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades), com apoio estratégico também da ONU Mulheres, cuja ambição é alcançar 1.500 empresas comprometidas em ter 50% de pessoas negras em cargos de liderança até 2030.

Foto: Reprodução.

Para Tayná Leite, Gerente Sênior de Direitos Humanos e Gênero do Pacto Global da ONU, a agenda de diversidade e inclusão, tão difundida nas empresas nos últimos anos, não está descolada do debate sobre direitos humanos e empresas. “Uma visão corporativa ética e responsável precisa estar alinhada aos Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos da ONU. Nossa missão é aproximar o mundo corporativo da agenda de direitos humanos de forma integral, estratégica e comprometida”, disse ela.

Fernanda Ribeiro trouxe em sua fala ser urgente envolver diferentes atores do ecossistema: organizações civis, governo e, principalmente, o setor privado. “Não apenas nas discussões relacionadas a Direitos Humanos, mas se faz necessário trazê-las para o campo das ações. Estarmos aqui na ONU, levantando essas discussões e, sobretudo, trazendo lentes de gênero é fundamental para a transformação do nosso cenário”, afirma.

Para Ana Fontes, única mulher negra brasileira que falou no painel “Confrontando o Racismo para Catalisar a Agenda de Direitos Humanos Empresariais”, a oportunidade de estar na sede da ONU, podendo falar de um tema que é tão essencial para o Brasil, como o combate ao racismo e soluções para apoiar as mulheres negras empreendedoras, é de extrema importância. “Para mim, é um marco histórico: por eu ser uma uma mulher de origem negra, idealizadora de uma organização de terceiro setor e podendo falar de uma temática tão fundamental que é combate ao racismo por meio do apoio às mulheres negras na geração de renda”, destaca.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments