Fundo Baobá lança investimento financeiro para líderes negras, inscrições estão abertas até dia 4 de outubro

0
419

Lançado com o objetivo de ampliar o número de líderes negras em posições estratégicas nas tomadas de decisão e de poder na sociedade civil, o Fundo Baobá, passa a contemplar, a partir do “Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco”, organizações não formais e pessoas físicas.

Enquadram-se no perfil mulheres negras cisgênero ou transgênero, residentes no Brasil, de áreas urbanas ou rurais, independente do nível de escolaridade ou filiação religiosa, de qualquer faixa etária a partir de 18 anos. As inscrições estão abertas até dia 4 de outubro.

O programa foi lançado nesta segunda-feira, dia 2 de setembro, no Museu de Arte do Rio. O evento contou com a presença de líderes do movimento negro, artistas, empresários e investidores. A instituição entende como líderes mulheres presentes em variados setores da sociedade civil que vislumbram caminhos coletivos para o futuro, mobilizando outras pessoas para estarem consigo, construindo com criatividade e inovação soluções, revertendo positividades em prol do desenvolvimento coletivo.

O Nordeste é o local onde é encontrado o maior contingente populacional negro, incluindo a maior quantidade de jovens da maior população feminina negra do país e terá o maior número de projetos aprovados. O programa contará com um aporte total de US$ 25 milhões a serem captados até 2026, traduzido como o maior fundo vertido para equidade racial fora dos Estados Unidos. Individualmente, o investimento financeiro terá teto de R$ 40 mil para pessoa física e R$ 170 mil para organizações, variando de acordo com o projeto e edital. As parcelas serão distribuídas ao longo de 18 meses, com pagamento realizado trimestralmente.

Durante o evento, participantes refletiram sobre a realidade brasileira e as possibilidades de mudanças a partir do edital. “Infelizmente, a vida que a gente leva muitas vezes não nos permite sonhar estar num espaço social e profissional como o que eu ocupo hoje. Estou honrada em estar nesta posição e de poder oferecer acesso à possibilidade de desenvolver ações de pessoas que, por injustiças injustificáveis, não vem tendo esta oportunidade”, contextualizou Selma Moreira, diretora executiva do Fundo Baobá.

O evento recebeu ainda a família da vereadora executada. “Ceifaram a vida da minha irmã, mas não calaram e nem calarão sua voz. Minha irmã vendeu sapato e roupa na feira para que eu pudesse estar nos EUA estudando e praticando vôlei durante quase 12 anos. Agradeço muito por honrarem seu legado e memória”, afirmou a professora Anielle Franco. “Nós somos a família de Marielle e também não seremos interrompidas”.

A advogada Lígia Batista representou a Open Society Foundation, onde atua como Assessora Especial, e ficou emocionada. “Historicamente, mulheres negras são forçadas a exercerem papéis de subalternidade social e econômica, estando absolutamente distantes dos papeis de tomada de decisão e proeminência. Começamos a ampliar esta presença, mas, ainda assim, há uma sub-representação – somos poucas nestes espaços e estamos muito longe de alcançar os patamares efetivos de representação. Porém, devemos, sim, acreditar que podemos ocupar espaços que sempre nos disseram que não poderíamos. É preciso reconhecer a importância das mulheres negras enquanto agentes de transformação da nossa história, da história do nosso país. Ou a revolução será constituída junto delas, ou não será”, reforçou.

A licença para matar que o neofascismo emergente em nossa sociedade autoriza tem como alvo prioritário a negritude”, considerou a filosofa e escritora Sueli Carneiro, integrante do Conselho Deliberativo do Fundo Baobá. “Precisamos dar uma resposta ao alto índice de letalidade de jovens negros. Este fundo existe para contemplar pessoas tão talentosas quanto aquelas que nós já conhecemos, mas que não possuem as mesmas oportunidades que elas”, complementa o executivo consultor e empreendedor social Giovanni Harvey, presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Baobá.

Os projetos individuais e coletivos que desejarem participar do edital devem ser inscritos até o dia 4 de outubro de 2019, sendo cadastradas apenas através do aplicativo do Fundo Baobá, disponível no site http://www.baoba.org.br, onde estão todos os detalhes dos editais.

Comments

Comentários