Por Rodolfo Gomes em parceria com Victória Gianlorenço

Juliana Oliveira, nasceu e cresceu em uma família bem simples na cidade de Osasco, em São Paulo. Quando pequena ao ver jornalistas como Glória Maria já tinha vontade de seguir a profissão, e sonhava com o dia que fosse ela ali cobrindo momentos tão marcantes e impactando as pessoas.

Formada em Jornalismo na faculdade Unifieo, Juliana atua há mais de 15 anos no mercado de tecnologia e inovação. Com uma extensa trajetória em assessoria de imprensa, acompanhando mais de 400 empresas na sua carreira, Juliana ganhou espaço e realizou o sonho de montar a Oliver Press, sua própria assessoria de Comunicação, Inovação e Diversidade.

Ela sempre foi muito determinada em suas conquistas, desde sua graduação e o intercâmbio para a África do Sul, até chegar na sua trajetória com a assessoria de imprensa.
A vontade de empreender não foi algo que nasceu com ela, e sim uma vontade que surgiu depois de ouvir muito “não” ao longo de sua carreira. “Eu uni cada desses nãos que recebi e transformei eles em força para fazer acontecer da forma que eu acreditava ser justa e equitativa”, comentou.

O fato de ter trabalhado com muitos CEO´S de tecnologia a fez criar uma rede muito grande de amigos e clientes, e ela aproveitou dessa fonte para criar o seu próprio negócio.

Sua história, assim como a de muitas pretas foi de luta e resistência. “Eu era uma das únicas pretas que falava sobre tecnologia, e isso era um desafio diário”, contou.

Há alguns anos, ela conta que não existiam negros falando sobre “Tecnologia e Inovação”, hoje vemos que graças a luta e resistência estamos abrindo espaços para a diversidade dentro das empresas.

E foi que ela fez há 6 anos , ao abrir a Oliver Press, uma empresa que tinha como valor a equidade, diversidade, inovação e tecnologia. Para isso acontecer, a empreendedora conta que trouxe em seu olhar um foco para a contratação de mulheres diversas. “Eu, assim como muitas mulheres, passei por problemas de chefia onde o machismo e racismo ainda predominavam”, contou.

Após sair de uma das empresas que trabalhava, Juliana, antes de virar empreendedora, se perguntou: “O que eu vou fazer agora?”
A realidade é que ela não sabia o que ia fazer, e abrir uma empresa não fazia parte dos seus planos “Mas eu sabia o que eu não queria, e eu não queria mais homens dizendo o que eu tinha ou o que não tinha que fazer”, lembrou.
E assim, a assessora de imprensa se viu em um processo de redescoberta de vontades, sonhos e ainda começou aos poucos a entender onde queria chegar.

Durante toda sua jornada, ela viu colegas trabalhando muito sem serem promovidas, enquanto homens brancos subiam de cargo a todo momento, sem ao menos terem vivido um pouco de suas experiências.


A Oliver Press começou do quarto de sua casa, é a voz de muitas mulheres que lutam por espaço e o diálogo entre todos, é um lugar onde mulheres pretas e diversas falam sobre tecnologia, inovação e principalmente sobre a diversidade em vários aspectos.
Para ela, trabalhar com um time de pessoas em suas diversas etnias é extremamente enriquecedor, e isso se consolida como um dos grandes pilares e manifestos da Oliver Press. “Eu peguei todos os meus erros durante anos, lembrei das dores que meus clientes tinham e fiz acontecer. Esse tempo todo de trabalho foi um grande MBA da vida.”, disse ela.

O que poderia ser apenas trabalho se transformou em respeito pela trajetória brilhante que ela construiu, passando por diversas assessorias até abrir sua própria, formada apenas por mulheres.


E não só a Oliver cresceu neste tempo, a Juliana também se desenvolveu cada vez mais. “Por empreender, adiei o sonho de ser mãe por algum tempo, mas hoje o Arthur me mostra todos os dias como ser uma mãe melhor, uma mulher melhor e uma empreendedora completa”.

A admiração foi tão grande que viramos cliente um do outro, e hoje em dia tenho o prazer não só de criar apresentações para seu negócio como também de ter a Oliver Press cuidando da assessoria da minha empresa.
Após a chegada de seu filho Arthur, de 2 anos, muita coisa mudou em sua rotina. A parceria com seu companheiro se fortaleceu e a garra de entender a Oliver Press como um filho cresceu ainda mais.

E nem mesmo a pandemia foi capaz de impactar o crescimento de sua empresa, Juliana se orgulha do time que quase triplicou de tamanho durante este período da Covid-19. Mas também assume os desafios que este tempo de isolamento social trouxe para os empreendedores, pensando na saúde mental e emocional dos colaboradores e dos seus clientes.
Dessa forma, ela se posiciona a frente das suas expectativas e dos seus sonhos, a fim de construir um ambiente melhor para este ecossistema de trabalho.


“Ser mulher, preta e empreendedora em uma país como o Brasil é um ato de resistência, é preciso todos os dias sabem chegar no fundo do poço e conseguir levantar mais forte”, completou.

Comments