Dia do Psicólogo: profissionais consideram questões raciais na terapia

0
Dia do Psicólogo: profissionais consideram questões raciais na terapia
Foto: Freepik

Os efeitos do racismo na saúde mental da população negra são questões fundamentais para serem tratadas em terapia, já que causam grande sofrimento psíquico. Em conversa com a psicóloga Shenia Karlsson, ela explicou sobre a importância de olhar para a saúde mental da população negra, considerando o racismo como uma das questões centrais que atingem especificamente esse grupo.

A psicóloga clínica afirma que por muito tempo a psicologia ignorou que as questões raciais pudessem ter consequências para a saúde mental dos negros: “Questões raciais nunca foram um “recorte” e sim uma questão central para nós negros. Em países estruturalmente racistas como o Brasil, devemos considerar as dificuldades que pessoas negras enfrentam em seu cotidiano, visto que o racismo se impõe a todo momento atingindo assim todas as dimensões da vida. Historicamente, a psicologia têm negligenciado questões étnico-raciais, seja pela ideia de sujeito universal (branco, cis, heteronormativo e burguês), seja pela negação do racismo como estratégia de nos excluir também de lugares de cuidado. No entanto, graças aos esforços de muitos profissionais negros em propagar informações sobre a importância de se olhar para a saúde mental da comunidade negra, esse cenário mudou sua roupagem para a nossa sorte”, explica.

Para Shenia, os profissionais devem acompanhar as mudanças sociais e colaborar para a construção de uma psicologia que esteja alinhada com questões sensíveis da sociedade, que no Brasil é formada em sua maioria por pessoas negras. “Qualquer profissional da área de saúde deve estar em consonância com as mudanças sociais, sendo assim, é necessário atualizar-se e instrumentalizar-se. Num país em que mais de 55% da população é negra e racializada, torna-se urgente a construção de uma psicologia mais parecida com a sociedade real, em que todos aqueles que procuram profissionais de psicologia possam ser representados e acolhidos. Vale lembrar que a representatividade é importante mas não sustenta tudo, o psicólogo que se propõe a receber pessoas negras deve estar comprometido com uma pesquisa séria e uma prática antirracista”, detalha Shenia. 

Ela ainda explica que existem particularidades no sofrimento causado pelo racismo que devem ser consideradas durante a terapia. “Falando do lugar da Psicologia Clínica afirmo que existem peculiaridades no atendimento ao sujeito negro ainda que na maioria das vezes exista uma insistência em relativizar as diferenças e a enfatizar discursos prontos tais como “somos todos iguais”, “insconsciente não tem cor”, “não devemos segregar a psicologia”. A experiência de ser negro no mundo é algo único mesmo que tenhamos uma imensa diversidade entre nós”. Para Shenia, a terapia que considera as questões étnico-raciais reconhece as “experiências de silenciamento, invizibilização, deslegitimização e desumanização”.

”Uma terapia voltada para a comunidade negra reúne elementos fundamentais: lugar seguro, representatividade, humanização, liberdade de existência, construção de estratégias contra o racismo, descolonização do pensamento e dos afetos”, complementa a especialista.

Quando falamos sobre buscar o apoio psicológico de profissionais negros, Shenia enfatiza que a terapia também é quilombo. “A terapia com um profissional negro tem várias vantagens: identificação com alguém que parece com a gente, poder falar de racismo sem se preocupar se o profissional (branco) vai se ofender ou não, gozar de um serviço especializado  feito para nós e o mais importante, a segurança. O consultório de psicologia para mim é um quilombo, um lugar de fortalecimento, de resistência. Uma frase que eu sempre repito “Se o corpo é político, a saúde mental também é”, finaliza.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display