Criança não é mãe: meninas negras são as gestantes em 75% dos casos de gravidez antes dos 14 anos

0
Criança não é mãe: meninas negras são as gestantes em 75% dos casos de gravidez antes dos 14 anos
Foto: UNICEF/BRZ/Ueslei Marcelino

Esta semana, o Brasil se assombrou com o caso da menina de Santa Catarina que foi estuprada aos 10 anos e agora, aos onze, teve seu direito legal de interromper a gestação dificultado pelo hospital e pela Justiça.

O caso da menina revela um poço profundo de injustiças e revitimizações a que as meninas estão submetidas desde a mais tenra idade no Brasil. De acordo com levantamento da revista Gênero e Número, 75% das meninas com menos de 14 anos que engravidam são negras. De acordo com o código penal brasileiro, toda relação sexual com pessoas nessa faixa etária é classificada como estupro de vulnerável.

Em 2018, 21 mil meninas com menos de 14 anos tiveram filhos no Brasil. Não é possível mensurar, mas muitas delas, certamente, tiveram seu direito a interromper a gestação negado pela família, pelo estado, pelos serviços de saúde.

Este é um problema que entrecruza diversas violências a que meninas e mulheres negras são submetidas no Brasil e incide na manutenção de meninas e mulheres negras em estado de pobreza, sofrimento emocional e falta de perspectivas.

De acordo com pesquisa da PNAD Contínua, o cuidado a outras crianças da casa, até 5 anos, também expõe a sobrecarga de cuidados domésticos para meninas negras: elas compõem 75,32% das responsáveis pelos cuidados a outras crianças, enquanto as brancas representam 24,32%. 

Apesar dos dados estarrecedores, ainda é comum que a interrupção de uma gestação decorrente de estupro gere mais comoção do que o fato de uma criança de dez anos ser estuprada e nenhuma representação do estado parecer ligar para isso ou querer protegê-la de alguma forma.

Parlamentares ligados ao segmento cristão condenam veementemente o aborto, inclusive nos casos em que são permitidos por lei, como em caso de estupro, em risco de morte para a mãe e anecefalia do feto, ou seja, quando o feto possui má formação cerebral. No entanto, 88% das mulheres que realizaram aborto se declaram católicas, evangélicas, protestantes ou espíritas, segundo a Pesquisa Nacional do Aborto.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display