Brasileira ganha bolsa em programa do Obama com projeto que une turismo à comunidades quilombolas

0
10535
Thaís Rosa Pinheiro fundadora do Conectando Territórios Foto: Facebook)

“Atualmente o Brasil possui mais de 5 mil comunidades quilombolas reconhecidas, porém poucas comunidades são tituladas. Acredito que o turismo tem também o poder de educar e principalmente de aproximar de povos e culturas”. Essa afirmação é da turismóloga Thais Rosa Pinheiro, 35, que foi contemplada com uma bolsa internacional e integral do Young Leaders of the Américas Initiative (YLAI) Professional Fellows Program, programa criado pelo ex-presidente americano Barack Obama.

Nascida no Rio de Janeiro ela Mestra em Memória Social (UNIRIO), Especialista em Análise Ambiental e Gestão do Território (ENCE) e  Especialista em Economia, Turismo e Gestão Cultural (UFRJ).

No programa do YLAI foram 4 mil inscritos e 250 jovens selecionados, representantes de 36 países, líderes de diversas iniciativas. Em comum,  projetos voltados para melhorar a qualidade de vida do planeta e dos seus residentes. Thais passará 5 semanas em cursos e estágios em empresas. Ela viaja no próximo dia 2 de outubro retornando no dia 9 de novembro.

Thais se inscreveu no programa apresentando seu projeto “Conectando Territórios” que busca aproximar pessoas à história, memória e a diversidade cultural brasileira a partir de vivências turísticas de base comunitária em comunidades tradicionais como quilombolas e comunidades urbanas.

A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé, atividades ao ar livre e natureza
Foto: Facebook

“Eu levo visitantes para conhecer as comunidades, ofereço cursos de danças afrolatinas, workshops sobre história, cultura afro-brasileira e eventos que discutem sobre territórios e pessoas”, explica a turismóloga que ficou sabendo da Bolsa, pelo Facebook.

Para ela a aproximação dos turistas com a comunidade quilombola , por meio do Conectando Territórios, aumenta o conhecimento da sociedade sobre a importância da cultura africana e também indígena.

Nenhum texto alternativo automático disponível.
Foto: Facebook.

“Nosso trabalho se estende pela valorização da arte brasileira, conectada a herança africana, indígena e tradicional, fortalecendo o trabalho de artesãs mulheres. E de conexão com nossa história nos centros urbanos onde encontramos a cultura afro brasileira por exemplo. Acreditamos num mundo em que as diversidades são elos de aproximação, e o contato com moradores locais contribui para essa aproximação e quebra de barreiras”, conclui a turismóloga.

Para saber mais sobre afroturismo e o Conectando Territórios, acesse o site e a página do projeto no Facebook:

Site www.conectandoterritorios.com.br

https://www.facebook.com/ConectandoTerritorios/

Comments

comments