Carla Akotirene anuncia 3ª edição do Opará Saberes, programa para inserção de pessoas negras na pós-graduação

0
Carla Akotirene anuncia 3ª edição do Opará Saberes, programa para inserção de pessoas negras na pós-graduação
Foto: Adeloyá Ojú Bará

Neste dia 25 de julho, quando se celebra o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e o Dia Nacional de Tereza de Benguela, será lançado o edital para a 3ª edição do projeto Opará Saberes, iniciativa para apoiar pessoas negras, principalmente mulheres, nos processo de seleção para os cursos de mestrado e doutorado de universidades públicas brasileiras.

O lançamento acontecerá em uma live, às 17h, no perfil do Instagram da escritora Carla Akotirene, doutora em Estudos Feministas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e idealizadora do Opará Saberes.

Participarão da live a filósofa Djamila Ribeiro, a psicóloga Laura Augusta, a escritora Lívia Natália, a promotora de Justiça do Ministério Público da Bahia, Lívia Vaz, a historiadora Ana Paula Brandão, diretora programática na ActionAid Brasil, e a angolana Florita Cuhanga de Kinjango Telo, doutora em Mulher, Gênero e Feminismo (UFBA). A mediação será de Carla Akotirene e da jornalista Gabriela Monteiro, coordenadora executiva do Opará Saberes. Todas são intelectuais que representam a contribuição das mulheres negras para a educação, a ciência e a universidade brasileira.

“O objetivo do Opará Saberes é enfrentar o epistemicídio dos pensamentos negros e garantir o ingresso e permanência de pessoas negras neste espaço de circulação de conhecimentos e de tomada de decisões políticas que são as universidades públicas e seus programas pós-graduação”, explica Carla Akotirene.

Para auxiliar pessoas negras, prioritariamente mulheres, a enfrentarem as seleções para o mestrado e o doutorado em universidades pública, o projeto oferece, de forma totalmente gratuita, suporte político, teórico, metodológico e psicológico, contribuindo, além da aprovação, com a permanência nos cursos.

Terceira edição terá formato remoto para ampliar o alcance


Depois das edições de 2016 e 2017, realizadas graças à parceria de intelectuais negras, o Opará Sabres retorna em 2022, com importantes apoios institucionais e de personalidades negras de referência como a atriz Taís Araújo, a jornalista Maria Júlia Coutinho e a filósofa Djamila Ribeiro. A iniciativa também contará com a participação de professores e professoras de diversas universidades brasileiras.

A primeira edição de Opará Saberes aconteceu em 2016, pautando descolonização do conhecimento com a pensadora angolana Florita Telo e participação das intelectuais negras Zelinda Barros, Viecha Vinhático, Laura Augusta, Ana Claudia Pacheco, Denise Ribeiro, Ana Luiza Flauzina, Claudia Pons, Salete Maria, Denise Carrascosa, Livia Natália, Elisabete Pinto e Emanuelle Goes. Em 2017, em sua segunda edição, Opará contou a filósofa Djamila Ribeiro, o professor Lourenço Cardoso, Ângela Figueiredo, Cristiano Rodrigues, Raquel Luciana Souza e outras/os, levando mais de 500 negras e negros para debater na universidade. Ambas as edições aconteceram em Salvador-BA.

Agora, pela primeira vez, Opará Saberes amplia a territorialidade e, através de um formato híbrido, com encontros presenciais e remotos, além de uma master class com convidadas internacionais, pretende acolher pessoas negras de todo o Brasil em duas grandes linhas de atuação: formação e mentorias. No edital, que será apresentado no lançamento do dia 25 de julho, estarão os critérios para a participação de candidatas.

Também será lançada uma campanha de financiamento coletivo para que a sociedade possa contribuir na ampliação do projeto, possibilitando o acompanhamento mais contínuo das candidatas.

Romper com o eurocentrismo da academia colonial


Carla Akotirene explica que uma das motivações do Opará Saberes é a valorização e instrumentalização dos saberes trazidos por pessoas negras, com epistemologias feministas, afrocêntricas, originárias e decoloniais, contribuições desprezadas pelas universidades.

“A Academia moderna é um projeto colonial, patriarcal, eurocêntrico, narcisístico e eliminatório. A universidade é responsável pela colonialidade do saber decidindo se conquistamos ou não credenciais”, afirma Carla Akotirene.

O nome do projeto é uma homenagem à deusa Opará, que na religiosidade afro-brasileira é uma das qualidades guerreiras da orixá Oxum, que reina nos rios e cachoeiras, e na filosofia ancestral africana, traduz a força do ímpeto e da sabedoria das mulheres.

A live de Lançamento do Opará Saberes acontece no dia 25 de julho, às 17h horas, no perfil de Carla Akotirene (@carlaakotirene) que receberá convidadas especiais para falar sobre a importância da inserção de mulheres negras nos espaços científicos e acadêmicos.

O Projeto SETA – Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista apoia o Opará Saberes, através da ActionAid Brasil. O SETA, projeto finalista do desafio da equidade racial 2030 da Fundação W.K. Kellogg, é uma aliança inovadora com sete organizações da sociedade civil nacional e internacional que tem como foco a construção de um sistema de educação pública brasileiro construído sobre os princípios da justiça racial e social onde cada pessoa pode ter acesso ao seu direito a uma educação de qualidade.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display