“A trajetória de uma mulher negra é se defender sozinha”, diz Carla Akotirene sobre Jada Smith

0
“A trajetória de uma mulher negra é se defender sozinha”, diz Carla Akotirene sobre Jada Smith
Foto: Adeloya Magnoni

No domingo (3), o Fantástico exibiu entrevista da Maju Coutinho com mulheres ligadas ao movimento do feminismo negro, que refletiram sobre o tapa do ator Will Smith contra o humorista Chris Rock durante o Oscar 2022 e o apagamento da Jada Pinkett Smith na ocasião.

Até o momento, ela fez apenas um post no Instagram com a frase, traduzida para o português: “São tempos de cura e estou aqui pra isso”.

Há alguns anos, quando foi diagnosticada com alopecia, ela relembrou o momento que começou a perder o cabelo. “Foi assustador quando começou. Eu estava no chuveiro um dia e as minhas mãos estavam cheias de cabelo. Eu fiquei tipo ‘Eu tô ficando careca?'”.

Ela decidiu raspar a cabeça no ano passado. E poucos dias antes do Oscar, publicou um vídeo falando sobre quando o cabelo era cheio. “Tornar-me uma mulher negra e lidar com o meu cabelo em Hollywood, na época em que surgi tendo que ter o meu cabelo o mais parecido com de uma europeia foi muito desafiador porque eu gostava do meu cabelo selvagem e cacheado.”

Nas redes sociais, teve mulheres brancas questionando o empoderamento da Jada para se defender sozinha. Mas as mulheres negras levantaram como esse comportamento é diferente de uma para a outra.

“Essa pergunta remete a resposta que eu quero dar para essa situação. Porque se as mulheres negras nunca foram ajudadas, para pular poças de lama, nem subir em carruagens. Eu imagino também que a vida inteira, a trajetória de uma mulher negra é se defender sozinha. Porque a construção de gênero, a construção de feminilidade, impôs para as narrativas sobre masculino e feminino que a mulher branca, sim, precisaria se empoderar para não ser defendida como a Rapunzel, como a Chapeuzinho Vermelho, como a Cinderela. Mas para nós nunca existiu esse lugar de alguém estar apoiado, na nossa identidade para nos defender”, declara Carla Akotirene, mestre com doutorado em Estudos de Mulheres Gênero e Feminismo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Pesquisadora Carla Akotirene no Fantástico. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Gabi De Pretas, participou da reportagem e compartilhou os motivos de ter o cabelo alisado a partir dos 4 anos. “Qual criança negra não ouviu ‘cabelo duro, cabelo de bombril’? E por isso, uma solução que minha mãe encontrou para amenizar minha dor na época foi alisar meu cabelo”, relembra.

Hoje, com o cabelo raspado por opção, ela também diz sobre como isso também não é bem visto pela sociedade. “O cabelo tá muito ligado a ideia de feminilidade, e no caso da Jada, especificamente, quando ela se coloca com o cabelo raspado no Oscar, ela quer expressar o lugar de ‘eu estou aqui e eu quero estar aqui, na forma que eu estou hoje’.”

A outra entrevistada, cabelereira Renata Varella, relembra como foi a sua trajetória até aceitar o cabelo natural na vida adulta, “Todo mundo dá palpite sobre o seu cabelo desde pequena. A gente tem o hábito de transformar o nosso cabelo, usar algum tipo de química, pra entrar no padrão social esperado. Então a experiência é de não cabê-lo. É de não-indentidade.”

E complementa,”Ver a expressão da Jada dói muito porque a gente olha pra’quilo e revive todas as vezes que a gente já passou por isso. Ela foi humilhada, isso é muito desrespetoso”.

Yane Soares, também cabelereira, aprendeu com a Renata a também valorizar o cabelo, “Ninguém nunca me ensinou a cuidar do meu cabelo e quando eu aprendi, que eu tive aquela oportunidade, falei ‘cara, as pessoas tem que ter a mesma sensação que eu. saber finalizar, saber que eu o seu cabelo é bonito, que o seu cabelo não é bonito igual as pessoas falam.”

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display