Angélica, segunda eliminada de “No Limite”, fala como foi participar e para quem torce

0
761
Foto: Reprodução Rede Globo

A garra de Angélica Ramos, segunda eliminada do “No Limite”, ficou marcada na areia da Praia Brava, após cavar por mais de cinco horas sob o sol numa das primeiras provas da competição. Atualmente morando na Bélgica, a paulistana, ex-participante do BBB 15, voltou ao Brasil diretamente para essa aventura na tela da Globo, como integrante da tribo Calango.

Feliz por ter sido lembrada, topou o desafio, e ressalta: “Superei os meus limites, mas eu tinha vindo para ganhar. Queria ter ficado um pouquinho mais”. A torcida de Angélica vai para Kaysar, em primeiro lugar, integrante – como ela – da tribo Calango. No segundo lugar está Zulu, ambos pelos mesmos motivos: “Zulu e Kaysar são muito justos e completos”. Veja a entrevista em que a ex-BBB e ex-No Limite detalha sua participação:

Por que você topou participar do ‘No Limite’?

Eu fiquei muito feliz por terem lembrado de mim e achei que seria uma oportunidade de aparecer no meu país, o Brasil. O ‘No Limite’ foi uma vitrine para que as pessoas pudessem me enxergar depois de seis anos. Além disso, o programa é muito diferente do ‘BBB’ e da vida que eu levo na Bélgica. Eu queria sair da minha zona de conforto e, é claro, ganhar os R$500 mil que não fazem mal a ninguém, né? (risos)

Como você avalia a sua participação?

Foi incrível, mas acho que poderia ter aproveitado mais. Não queria ter saído agora porque acho que ainda tem muita coisa boa para rolar, mas está tudo bem. A minha tribo era um pouco previsível, então não fiquei surpresa com os votos. Fiquei feliz com o empate porque entendi que a minha saída foi mais por conta de amizades e alianças.

Foto: Globo/ Fábio Rocha

Qual foi o maior desafio?

Foi subir aquela duna, né? Não é de Deus (risos). Quando eu subi correndo, não imaginei que seria tão, tão difícil. Eu tinha uma preocupação de prejudicar o grupo, mesmo que de forma indireta. Mas consegui pegar a bandana, consegui cavar por mais de 5 horas ferrenhamente. Acho que a minha tribo perdeu muito com a minha saída porque os desafios não são só de força. Eu estudei as provas, consigo entender as dinâmicas rápido… mas não me coloca pra correr numa duna, né? (risos)

Qual foi o momento que você mais vibrou?

Foi quando a gente ganhou a prova do barquinho. Eu fiquei muito feliz porque foi na véspera do aniversário do meu filho e eu tinha combinado com ele de fazer aquele gesto quando eu ganhasse uma prova. Eu dediquei essa vitória para ele! Mas em contrapartida, a Íris fez um comentário achando que fui desrespeitosa. Eu não podia fazer um gesto para comemorar?

O que faltou na tribo Calango?

A gente se incentivava na hora da prova, mas acho que faltava essa garra no acampamento também. Acordar de manhã com sangue no olho, sabe? A minha tribo está numa energia “paz e amor”, uma vibe boa, mas as vezes a gente precisa de “faca na caveira”.

Para quem fica a sua torcida?

Eu sou “calanguete” (risos). Com a minha saída, eu gostaria muito que o Kaysar chegasse na final, mesmo tendo votado em mim para proteger a amiga dele. Agora, se ninguém da Calango chegar lá, a minha torcida vai para o Zulu. Eu tenho amizade com o Viegas, mas sinto que o Zulu é focado, forte pra caramba. Zulu e Kaysar são muito justos e completos.

Após a saída de Angélica, as tribos agora seguem da seguinte forma:

Carcará: Iris Stefanelli, Lucas Chumbo, Marcelo Zulu, Paula Amorim, Viegas, Ariadna, Elana e Gui Napolitano

Calango: Jéssica, Kaysar, André, Arcrebiano, Carol Peixinho e Gleici


 

Comments