Vítima de trabalho análogo à escravidão é resgatada na BA, após 40 anos

0
Vítima de trabalho análogo à escravidão é resgatada na BA, após 40 anos
Foto: Pixabay

Uma mulher de 52 anos foi resgatada de uma casa de família em Vitória da Conquista (BA), após 40 anos de condições de trabalho análogo à escravidão que foi submetida. A operação de resgate ocorreu no último dia 30 de março, mas só veio à tona no início de abril.

A operação liderada pela Comissão Estadual de Combate ao Trabalho Escravo da Bahia (Coetrae-BA), da Superintendência Regional do Trabalho (SRT-BA), em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT), a Defensoria Pública Federal (DPU), Secretaria de Justiça e Direitos Humanos da Bahia (SJDHDS) e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

De origem muito pobre, a vítima foi levada desde os 13 anos para cuidar dos afazeres domésticos da casa.

“Isso é uma coisa muito importante para as pessoas que realizam trabalho análogo ao de escravo, o requisito de vulnerabilidade é muito marcante, seja no trabalho rural, doméstico, seja no caso de quem sofre exploração sexual, enfim. A vulnerabilidade é muito marcante nesses casos”, reforça a fiscal do trabalho Flávia Maia, que participou da operação.

E completa: “É aquele tipo de história em que o patrão ‘pegou a pessoa para criar’, um caso típico do Brasil, como já sabemos. A patroa estava grávida e flagrou a adolescente pensando em colocá-la para trabalhar em casa e supostamente tê-la como filha”, diz a fiscal do trabalho Flávia Maia, que participou da operação.

Desdobramentos

A mulher recebeu o benefício mensal de benefício continuado (BPC) por sete anos, devido a problemas de saúde, mas o dinheiro foi sacado pelo empregador, que decidiu sua destinação.

A “patroa”a humilhava, especialmente depois do problema de saúde que foi se agravando. “Mas, por outro lado, a patroa também disse: ‘Não vá embora, eu tenho você como filha e você é mãe dos meus filhos’. Era uma relação dupla”, completa Flávia Maia.

Justiça

A vítima terá que receber dos “patrões” R$150.000, sendo R$90 mil de verbas rescisórias e R$60 mil por danos morais individuais. E ainda deve receber o valor referente ao FGTS, cujo valor ainda não foi calculado.

A operação resultou no pagamento pelo empregador de R$ 150.000 à vítima, sendo R$ 90.000 referente a verbas rescisórias e R$ 60.000 a danos morais individuais. Além disso, ela deve pagar

A mulher resgatada agora recebe assistência social do governo da Bahia e já foi encaminhada para a casa de sua família em Itacaré, no sul do estado.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display