Valdineia Soriano – A arte que desenha a mulher

0
Valdineia Soriano – A arte que desenha a mulher
Por meio de perfis, a campanha #NegrasRepresentam tem o objetivo de apresentar os pensamentos de mulheres negras em diversas esferas sociais e como suas ações vem propondo mudanças na realidade racial do país.

Valdineia Soriano nasceu destinada a ser imortal. Atriz do Bando de Teatro Olodum desde sua formação em 1990 é produtora de diversos espetáculos baianos e tem hoje uma imagem consolidada neste cenário teatral. Ela escolheu  discutir  o  passado para não deixar que a história negra desapareça. Sua experiência de palco envolve mais de 30 montagens, entre elas “Essa é a nossa praia”, Medeamaterial (de Heiner Muller), Cabaré da RRRRRaça, A infantil Áfricas,  Ó, Paí, Ó, Bença e  Dô. Na TV, sua consagração vem com Ó Paí, ó! O Curioso, quadro do Fantástico dirigido por Lázaro Ramos e Mister Brau.

Produtora do Festival Internacional de Arte Negra: A Cena Tá Preta, ela não se cansa.  No cinema, integrou o elenco de Jenipapo (1994) e Ó, Paí, Ó (2006), de Monique Gardenberg, O Jardim das Folhas Sagradas (2006), dirigido por  Póla Ribeiro,  Tim Maia (2014) de Mauro Lima e Café com Canela (2016) de  Glenda Nicácio e Ary Rosa. Recentemente foi eleita melhor atriz no Festival de Brasília. Estamos falando de uma atriz que através de sua arte, luta para deixar que alguma dessas memórias de luta e esperança continue viva dentro de nós.

Mundo Negro –O Teatro Experimental do Negro, foi nossa primeira experiência teatral e através de suas histórias debateu uma tema que é atual até hoje: a ausência do negro na dramaturgia e nos palcos do Brasil. Neste sentido, qual a sua perspectiva sobre a presença negra feminina nos palcos?

O TEN ( teatro experimental do negro) foi o percursor na perspectiva da (o)  artista negra (o) poder dizer: “NÓS TAMBÉM PODEMOS E SABEMOS FAZER ARTE!”. Contudo, ainda é muito difícil viver de arte no Brasil, principalmente, sem pertencer a uma grande Cia, que seja patrocinada. A condição feminina na arte- cênica vem mudando, não é o ideal de visibilidade considerando a gama de atrizes negras que temos na “cena negra” mas, nós estamos conduzindo divinamente nossas trajetórias, com escritas, produções, direções, atuação e desta forma, pautando nossos temas, com o nosso olhar, sensibilidade e (RE) existindo seja no teatro, TV, cinema, circo, dança ou até mesmo nos bastidores destas produções!

Mundo Negro- Em que o Teatro contribui para que a atriz Valdineia seja uma referência na luta anti racista?

Verdadeiramente, é presunçoso de minha parte receber este lugar de referência. Eu sou apenas um corpo, que tem sua importância, a partir da minha arte e da minha postura política-cidadã, na luta para combater as formas do racismo! A minha arte me possibilita falar para muita gente, de todas as etnias e classes sociais, isso é ótimo, mas, eu faço parte de um corpo-coro enorme.

Mundo Negro- Você é atriz, produtora, conselheira, ativista, mãe, mulher e quiça o que mais. Como é ser múltipla neste cenário artístico? O que você mais tem a comemorar?

Cansativo. Eu adoro exercer essas funções, mas,  as vezes, só para respirar eu gostaria de ser cuidada (RS). O ano de 2017, tirando todos os golpes, foi e é um ano que vai entrar para minha estória enquanto atriz. Eu fiz muitos e bons trabalhos, tive bons encontros profissionais e ganhei um prêmio de extremo reconhecimento na cena brasileira, o troféu de melhor atriz do cinema de Brasília, essa será minha comemoração por um bom tempo. Mas, eu sempre espero uma surpresa…

 

 

 

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display