“Vala: Corpos Negros e Sobrevidas” estreia no SESC Belenzinho e discute genocídio

0
“Vala: Corpos Negros e Sobrevidas” estreia no SESC Belenzinho e discute genocídio
Foto: Lua Santana

Espetáculo denuncia genocídio das pessoas pretas ao longo do tempo

A Cia. Sansacroma estreia dia 29 de janeiro de 2022 no SESC Belenzinho, em São Paulo, o espetáculo “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas”. A peça fica em cartaz até dia 04 de fevereiro de 2022 no SESC e depois segue temporada por diversos equipamentos culturais nas regiões periféricas de São Paulo, como o Centro de Referencia da Dança, Fábrica de Cultura Brasilândia, Fábrica de Cultura Capão Redondo. A direção artística, coreográfica e concepção do espetáculo é de Gal Martins, ganhadora do décimo primeiro Prêmio Governo do Estado de São Paulo para Artes de 2020 e 2021 na categoria Cultura Urbana. Este projeto foi contemplado pelo Programa Municipal de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo — Secretaria Municipal de Cultura.

“Vala: Corpos Negros e sobrevidas” denuncia a “limpeza” e/ou genocídio das pessoas pretas ao longo do tempo e explica por intermédio de suas coreografias como a nossa estrutura social foi justificando e moldando novos valores, a urbanidade, a civilidade, a segurança pública e a política de morte

Gal Martins teve a ideia de produzir o espetáculo após uma visita ao Cemitério dos Pretos Novos, no Bairro da Gamboa, Rio de janeiro. No local, arqueólogos encontraram mais de 5000 fragmentos de ossos e dentes de pessoas negras. Especialistas dizem que até 20 mil corpos podem estar enterrados na área. Os corpos são de africanos escravizados que morreram durante a viagem marítima de três meses ao Brasil. 

Foto: Lua Santana

O local foi transformado em um instituto que manteve três valas abertas  com ossadas e objetos de escravos expostos ao público.  “Eu fiquei muito mexida porque há uma energia muito forte naquele lugar. Então tive a ideia de criar o Vala. É um espetáculo que fala de morte da população negra. A ideia do espetáculo é justamente falar que fomos enterrados, mas apesar de tudo, temos sobrevidas. Esse enterro não é literal, mas simboliza a tentativa de matar nossa ancestralidade, construindo a ideia do corpo oco a partir da política de violência instalada no país. E como pessoas pretas temos que renascer constantemente” explica a diretora. 

“Vala” traz ao palco o processo de objetificação e desumanização do corpo negro. Sem dúvida, foi um dos instrumentos de opressão e manutenção da ordem e do status quo da nossa sociedade, muito sabiamente utilizado para manterem esses corpos dóceis e adestrados a exercerem na sociedade os papéis e espaços que a ele estavam destinados e que se perpetuaram historicamente na dissociação entre trabalho intelectual e trabalho manual, na sexualização e coisificação do corpo da mulher negra, na relação de traços de selvageria, animalização e incivilidade do corpo negro. Trata-se de um espetáculo que fala de morte, mas, ao mesmo tempo, fala principalmente da vida. 

TEMPORADA: Vala: corpos negros e sobrevidas

Estréia – SESC Belenzinho – 29 e 30.01 e 4 a 06.02 

R. Padre Adelino, 1000 – Belenzinho
sexta e sábado às 21h30 domingo às 18h30

Inteira: R$ 30,00 e meia R$ 15,00

Sala de espetáculo I

Venda presencial a partir de 26 de janeiro às 17h

Pessoas com mais de 12 anos deverão apresentar comprovante de vacinação contra COVID-19, evidenciando DUAS doses ou dose única para ingressar em todas as unidades do Sesc no estado de São Paulo. O comprovante pode ser físico (carteirinha de vacinação) ou digital e um documento com foto. O uso da máscara é obrigatório durante toda sua permanência na Unidade. Para atividades com ingresso, será necessário apresentar o QR Code na entrada da atividade.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display