Retrospectiva Mundo Negro 2019 # 10 – A nova Ariel, no live action de A Pequena Sereia é preta

0
1241
A nova Pequena Sereia é preta
A nova Pequena Sereia é preta

 

No nosso décimo lugar temos a atriz e cantora Halle Bailey, de 19 anos, que vai interpretar Ariel, no Live-action de A Pequena Sereia, da Disney. O remake será produzido em 2020.

Halle e sua irmã Chloe, ganharam as graças do público e da rainha Beyoncé com suas músicas que tem uma balada de Pop e R&B, mas com letras bem reflexivas e psicodélicas. As duas também atuam juntos na série Grown-ish, spin-off de Black-ish.

Em entrevista para o Entertainment Weekly, o diretor do longa Rob Marshall, que também dirigiu O Retorno de Mary Poppins, diz Halle é perfeita para o papel, por diversos motivos:  “Depois de buscar de forma extensiva, vi que Halle possui uma rara combinação de coração, espírito, juventude, inocência e substância, e ainda de quebra tem uma voz gloriosa, ou seja, tem tudo que um papel icônico precisa”, detalha Marshall.

Em alguns sites já há protestos sobre a escolha da atriz, por conta do famoso cabelo ruivo de Ariel que provavelmente será castanho na nova versão do filme.  Há comentários dizendo até que a diversidade foi longe demais.

Porém a Disney ganha arriscando e colocando mais rostos e vozes negras nos remakes de seus filmes, onde o elenco sempre majoritariamente branco por décadas. A diversidade acontece por meio de histórias que podem ser contadas por personagens de qualquer etnia.

Já pensou uma Ariel de dread?

 

 

Comments

Comentários

Artigo anteriorMulheres negras que inspiram: Samantha Almeida e a luta por representatividade no mercado da comunicação
Próximo artigoRetrospectiva Mundo Negro 2019 # 11 – Maju estreia no Jornal Hoje
Tássia di Carvalho é graduada em Jornalismo e Publicidade e Propaganda, além de possuir MBA em Mídias Sociais e especialização em Marketing Digital e Cultura Contemporânea. Criou a Agência Is em junho de 2016, assim que saiu do Jornal O Dia, aonde era colunista e repórter. No periódico, ela cobria o lado positivo de favelas e periferias e percebeu um nicho em que poderia atuar, ajudando os pequenos projetos que inseria nas páginas da publicação. Em pouco tempo, viu que a demanda na área de comunicação era necessidade em diversas organizações do terceiro setor e de ações de impacto social. Em três anos, a Is já contabiliza mais de 35 clientes, desde os pequenos projetos que ela queria ajudar até grandes organizações de renome internacional como British Council, BrazilFoundation, Favela Mundo e FLUP. Palestrou em grandes eventos como TEDxPedra do Sal, MindTalk e BlackTalks.