Representatividade negra e trans: A série “Pose” deve ser assistida por todos

0
Representatividade negra e trans: A série “Pose” deve ser assistida por todos
Foto: Reprodução/Netflix

Pose é uma série dramática norte-americana, que estreou em 3 de junho de  2018 na FX, a série fala sobre o cenário LGBTQIA+  negro na cidade de Nova Iorque.  A sua popularidade no Brasil se deu após estrear na Netflix em 28 de setembro de 2019. Logo no mês de estreia a série se tornou patrimônio cultural da comunidade LGBTQIA+ brasileira e norte-americana.

Embora tenha sido muito premiada e muito contemplada em diversos países, a série ainda não tem a atenção merecida, por isso, nós reunimos 4 motivos para você começar a assistir Pose na Netflix:

UM MARCO NA CULTURA POP:

Além da predominância negra, Pose entrou para a história por ter o maior número de pessoas trans trabalhando na série, são mais de 50 pessoas, na frente e atrás das câmeras, envolvidas na produção e preparação de elenco. Isso é inédito, uma vez que as oportunidades de trabalhos para pessoas trans é inexistente o que leva grande parte da comunidade à prostituição por falta de uma única oportunidade.

ATUAÇÕES DE TIRAR O FÔLEGO:

No que diz respeito a atuação, você estará bem servido, o elenco é magnífico, de uma compreensão artística absurda, você terá a oportunidade de ver,  Dominique Jackson, MJ Rodrigues, Angelica Ross,  Indya Moore dentre  outras dando um show de atuação, além do maravilhoso Billy Porter que se tornou o primeiro homem assumidamente gay a ganhar um prêmio Emmy na categoria ‘’ melhor ator em série dramática’’ em 2018.

 REPRESENTATIVIDADE NEGRA E TRANS:

Nem todas as pessoas negras/trans que estão na televisão é uma representatividade negra/trans. Quando falamos em pessoas trans na televisão, a experiência é quase nula, afinal, o que acontece na grande maioria dos casos são atores cisgêneros encarnando a personagem travesti e tirando a oportunidade de atrizes travestis, além disso não ser uma representatividade, chamamos de ‘’transfake’’, o ato de atores cisgêneros interpretar papel de pessoas trans/travestis.

Quando falamos de pessoas negras na televisão, a experiência é quase dolorosa, só vamos ter uma grande quantidade de pessoas negras contratadas quando o enredo envolver escravidão. Pose fala de dor mas também de muitas alegrias, de beleza, encontro, arte, estilo. O racismo e a transfobia pode unir esses corpos, mas existe diversidade nas narrativas, Angel (Indya Moore)  é uma personagem que sonha em ser uma grande modelo, Blanca (MJ Rodrigues) está por enfrentar um dos maiores vírus de todos os tempos enquanto ajuda seus filhos a trilhar o caminho, somos múltiplas, nos definir em uma única narrativa é colaborar com a nossa desumanização.

NECESSÁRIA PARA TODAS AS PESSOAS  CISGÊNERAS:

Todas as pessoas cisgêneras deveriam assistir Pose, pois a ideia é humanizar as nossas narrativas, pessoas cis-aliadas na tentativa de apoiar nossas vidas acabam caindo em um grande erro que é a cristalização – não vou discordar porquê ela é travesti, mesmo quando o assunto não diz respeito a questão de gênero. Isso é um problema e acaba construindo aquele imaginário colonizador da travesti ‘agressiva’ ‘mal-educada’ a cristalização de qualquer corpo nunca é legal, é a mesma coisa de ser ‘café com leite’ na brincadeira de pega. Pose mostra pessoas trans, acertando, errando, fazendo piadas de mal gosto, o nosso pior e o nosso melhor, pois o ser humano é assim. É recomendado para pessoas cisgêneras, pois a ótica dessas pessoas sobre o nosso corpo poderá mudar, pois, elas irão enxergar a humanidade e a fortaleza que existe em nós.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display