‘Preciosa – Uma História de Esperança’: Só se consegue ver uma vez, mas precisa ser visto

0
‘Preciosa – Uma História de Esperança’: Só se consegue ver uma vez, mas precisa ser visto

“O amor não fez nada por mim.O amor me machucou, me estuprou e me chamou de animal. Me fez sentir inútil e me deixou doente”. Essa passagem de ‘Preciosa – Uma História de Esperança’, longa dirigido por Lee Daniels, resume qual a experiência que se tem ao assistir a jornada de Claireece “Preciosa” Jones (Gabourey Sidibe) de 16 anos. É doloroso, áspero e é difícil assistir.

Preciosa, uma história de superação – Filme | Blog do Seu Alipio
Imagem: Reprodução

Preciosa é um adolescente negra, obesa, moradora do Harlem nos anos 80 e está grávida de seu próprio pai pela segunda vez. Ela não sabe ler nem escrever e sofre abuso constante nas mãos de sua mãe,Mary Lee (Mo’nique). Ao ser transferida para uma escola alternativa, a garota sente uma gota de esperança  ao encontrar o acolhimento da nova professora, a Sra. Rain (Paula Patton).

O diretor poderia ter pegado mais leve em toda a violência psicológica que a protagonista sofre? Poderia. Mas amenizar as dores de uma história vivida por milhares de meninas negras pelo mundo não fariam do filme uma experiência tão exasperante e, talvez, necessária.

Não é uma jornada de herói colorida. As pessoas que passam pela  vida de Preciosa também levam vidas complicadas, mesmo as que tentam ajudar. O ar pesado permeia até as interações que visam motivar  Preciosa que, diante de intervalos na dor, imagina números musicais em que ela é a princesa do garoto mais bonito, o centro das atenções de um mundo colorido e prazeroso. Quantos de nós não dedicamos alguns minutos de prazer escapista no mundo da imaginação em fases que tudo parece não ter jeito?

Mariah Carey (irreconhecível) e Lenny Kravitz aparecem bem no filme . Ele como um enfermeiro de ar acolhedor e ela como assistente social que percebe o quão maldosa é a genitora da protagonista. Mas é na atuação de Sidibe e de Mo’nique que reside o maior poder de ‘Preciosa’. A sensação é que a câmera de Daniels captou interações reais de mãe e filha dilaceradas por um lar destroçado por violência psicológica e física. As duas atrizes foram indicadas ao Oscar e Mo’nique levou a estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante. A cara fechada de Sidibe se transforma num choro ardido quando finalmente se mostra vulnerável para a Srta Rain e a desfaçatez de Mary Lee consegue fazer da personagem uma das mais odiosas da história recente do cinema.

A única coisa que mantém a mãe e a filha sob o mesmo teto é que a primeira usa o dinheiro da pensão destinado à primeira neta para manter alguns vícios sem precisar trabalhar. A câmera na mão do diretor faz com que a imersão naquele mundo áspero seja maior, mas também há recompensas, por exemplo quando Preciosa começa a exteriorizar sentimentos para as novas amigas da escola e também quando aprende a escrever.

É particularmente irritante a atitude de Mary Lee ao culpar a filha pela perda do marido, como se o estupro fosse um consentimento de Preciosa.

A escolha para a trilha sonora é minimalista. O que ajuda no retrato realista das situações, escapando de transformar passagens dolorosas em manipulativas e cafonas.

“Preciosa – Uma História de Esperança” é doloroso, requer que se respire fundo e dificilmente você irá retornar para uma segunda visita. Mas é uma experiência necessária recheada de ótimas atuações. Prepare um lencinho.

Disponível no Amazon Prime Vídeo.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display