Finalmente férias! As crianças estão empolgadas, as malas estão prontas e o destino está escolhido, porém há algo que não nos dá folga, nem nas férias… Os episódios de racismo.

O período de férias nem iniciou pra valer, mas já estamos protagonizando os primeiros episódios de racismo da temporada de férias 2019/2020. Esse é o período que muitos casos acontecem, já que depois de um ano inteiro de trabalho, muitas famílias negras poderão desfrutar dos espaços que, em boa parte do ano, foi frequentada, muitas vezes, só por pessoas brancas.

Para que o racismo não acabe com a diversão, temos que ficar com o radar ligado! Os episódios são sutis, sofisticados, e nossa atenção deve se voltar para que crianças não tenham aquela sensação de “tem algo errado comigo” ou “estou no lugar errado”.

Para combater o racismo, principalmente o estrutural, é preciso agir. E fica tranquila(o) não estamos falando para arrumarmos um barraco em cada esquina (apesar de as vezes dar vontade rsrsrsrs). O ato de falar, de alertar as pessoas, muitas vezes é educativo, por meio da nossa atitude, da nossa voz, as pessoas começarão a refletir sobre o assunto e se policiarão para não repetirem o erro.

Precisamos falar para conscientizar as pessoas e as empresas sobre o racismo, só assim, só conscientizando as pessoas é que acreditamos que algo pode mudar. Abaixo vão algumas dicas de como perceber e de como se posicionar se algum episódio acontecer:

  • Se as abordagens e comentários partirem dos funcionários do espaço (hotel, restaurante, parques, aeroportos, avião, etc), chame a gerência e informe o ocorrido. Explique que os funcionários estão reproduzindo o racismo estrutural. Nesses espaços, o episódio pode ser aquela conferida no seu ticket de acesso, quando a conferência não ocorre com mais nenhum outro frequentador, o típico, você não deveria estar aqui…
  • Algumas pessoas vão querer negar, mas NINGUÉM PODE OPINAR SOBRE O QUE VOCÊ OU A CRIANÇA ESTÃO SENTINDO. Se sentiu que está sofrendo descriminação, sendo tratado de forma diferente das outras pessoas, ou está sendo vítima de racismo, informe prontamente.
  • Se o episódio partiu dos hospedes ou das crianças, converse com os adultos, explique o ocorrido e fale como se sentiu, como a criança se sentiu e como o episódio te incomodou. Não guarde a chateação com você, distribua para os envolvidos!
  • Vamos ficar atentas (os) às queixas das crianças, se elas estão informando que algo está acontecendo, sim, algo está acontecendo. Quando a gente age em defesa da criança ela sente que foi feita justiça e se fortalece para não se sentir inferior ou sentir que está tudo bem passar por isso. Outro ponto importante, quando você se posiciona a criança começa a perceber e entender o que é racismo.
  • Fique de olho também nos espaços de recreação, dar uma espiadinha, sem tirar a privacidade dos pequenos, acalma o nosso coração. Todos nós ficamos apreensivos, com medo das outras crianças estarem se desfazendo das nossas. Podemos espiar, mas só devemos interferir se observamos que a criança não está conseguindo se defender sozinha. Elas precisam ter autonomia para resolverem as questões, mas se ela vier ser queixar, volte ao tópico anterior!

A principal regra é curtir as férias sem que ninguém ou estrutura racista nenhuma interrompa a sua curtição! Infelizmente o racismo está aí… ficar atento é uma boa estratégia para se proteger. Quando ficamos distraídos, os episódios nos pegam de surpresa e os efeitos podem ser traumáticos! Nosso desejo mesmo, é que nada aconteça e vocês possam desfrutar de muita paz e tranquilidade! Boas férias 😊

Comments