Lourenço Cardoso provoca a academia em obra sobre brancos que usam negros como objetos de estudo

0
Lourenço Cardoso provoca a academia em obra sobre brancos que usam negros como objetos de estudo
O historiador e escritor Lourenço Cardoso - Foto: Arquivo pessoal

“A inteligência negra chega na academia, passa a disputar os mercados totalmente pertencentes aos brancos. Os negros possuem, neste caso, maior profundidade e qualidade de maneira geral. Diante disso, ante um provável prejuízo econômico e de prestígio, o branco se protege, esse é o seu movimento, movimento de defesa. Numa disputa justa com o negro ele perderia”. Essa fala é de Lourenço Cardoso, homem negro, Professor do Instituto de Humanidades na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) e Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) – Campus de Araraquara.

Cardoso lança o livro “O branco ante a rebeldia do desejo: Um estudo sobre o pesquisador branco que possui o negro como objeto científico tradicional. A branquitude acadêmica. (Volume 2. Curitiba. Editora Appris, 2020). Nessa obra , o acadêmico quer trazer uma reflexão necessária sobre como o negro têm sido assunto de estudos de acadêmicos brancos, que muitas vezes se distanciam da sua branquitude na sua produção científica. “O branco persiste no lugar daquele que vai falar a respeito de tudo, inclusive sobre o negro”, argumenta o professor.

Capa da obra de Lourenço Cardoso

Nossa editora Silvia Nascimento conversou com Lourenço para entender mais sobre branquitude e como muitas vezes as estruturas racistas permanecem até quando o negro é o objeto de estudo de pessoas brancas.

Mundo Negro: Para você o que melhor define a branquitude?

Lourenço Cardoso: A branquitude é um conceito, um termo, uma palavra que tem sido utilizada para pensar, problematizar, os conceitos, os termos as palavras anteriores como, branco, identidade racial. A palavra branquitude antes era praticamente inexistente no nosso vocabulário acadêmico, ativista, popular. Todavia, nesses últimos anos, tem sido mais acionada com usos e sentidos múltiplos. Na verdade, desde sempre, na história desse conceito é colocado que branquitude se refere a uma identidade racial que procurava se ocultar. Por outras palavras, diz respeito a identidade branca, a existência social branca, sua identidade racial lhe confere vantagens simplesmente por ser branco. A branquitude como palavra, conceito, termo tem colocado em tensão o branco, a ideia de branco, a identidade branca. O branco que enquanto grupo ou indivíduo sempre procurou se esquivar da discussão sobre o conflito racial, desviando a atenção do seu lugar na sociedade racializada. A partir da palavra branquitude, na Internet por exemplo, o branco tem sido questionado. Isto gera incomodo porque o branco se encontra no lugar de opressor e explorador no contato racial. O branco ao procurar se silenciar a respeito da questão racial, procura se omitir da sua responsabilidade. É possível observar que o branco fica mais aborrecido quando a crítica dirigida parte do negro e da negra, se a crítica vem do branco, ele aceita melhor, quando vem da comunidade negra considera inadmissível, geralmente. Essa atitude arrogante representa a persistência da mentalidade colonial, um posicionamento de quem ainda se considera superior.

De que forma entender o que é branquitude ajuda no combate ao racismo?

O grupo a pessoa que pratica a ação é o branco nas sociedades racializadas como o Brasil e os Estados Unidos. A estrutura racista traz vantagem para ele. O conceito desigualdade racial significa vantagem para o branco por ser branco. Não somente desvantagem ao negro por ser negro. Numa ótica sistemática a desvantagem negra está relacionada a vantagem branca. Na prática, o conceito, a palavra branquitude problematiza o branco, questiona a pessoa e grupo que obtêm vantagens com a opressão e a exploração racial. O foco exclusivo no negro invisibilizando o branco torna a compreensão do fenômeno difícil. Problematizar somente o negro faz com que as propostas para resolução de conflitos racistas tornem-se ineficientes para uma solução definitiva. Não é o melhor caminho pensar somente naquele que enfrenta a ação, deixando de lado aquele que pratica o ato. No caso a prática de opressão e de exploração racista.

O seu livro volta o olhar para o branco que estuda o negro. A necessidade desse estudo surgiu de alguma inquietação sua?

Foi um caminho natural. O branco cientista estuda o negro, portanto, o negro é seu tradicional “objeto” científico. Durante muito tempo sendo tratado como “coisa”, exatamente isso. O negro e a negra entraram na universidade, no primeiro momento, serão formados pelos brancos, no segundo período, serão formados por negros e por brancos, apesar de que na universidade permanece a hegemonia branca. O negro acadêmico passa a estudar o negro, assim como o branco já estudava. Diante disso, o caminho natural foi olhar para outra direção, olhar o branco, problematizar o branco, não se restringir apenas ao negro, a negra sua história, cultura, etc. Sou produto desse momento de inversão metodológica que foi inaugurado pelo pensador negro Guerreiro Ramos. Uma questão fundamental que se coloca em meu livro é a seguinte? Por que o branco pensa o negro e não pensa em si?

No primeiro momento, a negra e o negro eram formados pelos orientadores brancos. No segundo período já existem orientadores brancos, negros, etc. Desde 1990, a produção acadêmica negra sobre a epistemologia negra, e mais recentemente a respeito do branco, tem se consolidado, existem muitos trabalhos, produções de conhecimentos excelentes. Nessa pauta, o negro e a negra se tornaram os maiores especialistas em regra. Inclusive os orientadores brancos aprenderam sobre a questão negra também a respeito da continente africano quando exerceram a função profissional de orientar jovens e também velhos pesquisadores negros e negras. Um crédito que intelectualidade negra possui que nunca é verbalizada, reconhecida. Qual orientador branco que não foi muitas vezes orientado pelo orientando negro? Qual orientador branco que não aprendeu muito a respeito sobre o que seria o seu tema de pesquisa principal com os orientandos negros e negras?

O qual o cenário dos intelectuais negros nesse contexto?

A inteligência negra chega na academia, passa a disputar os mercados totalmente pertencentes aos brancos. Os negros possuem, neste caso, maior profundidade e qualidade de maneira geral. Diante disso, ante um provável prejuízo econômico e de prestígio, o branco se protege, esse é o seu movimento, movimento de defesa. Numa disputa justa com o negro ele perderia. Logo, o branco faz uso do pacto narcísico, pacto entre brancos para manutenção da vantagem racial, conceito da intelectual negra Maria Aparecida da Silva Bento.

O pacto narcísico opera, o branco chama o branco para espaços de difusão jornalística, cultural, científica, etc., e mantém a vantagem racial do grupo. O branco persiste no lugar daquele que vai falar a respeito de tudo, inclusive sobre o negro. O negro e a negra estão em movimento de choque para quebrar isso, por isso ocorre o aumento da tensão que acompanhamos nas redes sociais e outros meios.

“A cidade negra” (o negro e negra) pode e deve falar academicamente, ou não, a respeito de tudo, não apenas sobre o negro e agora o branco. Isto acontece, já está acontecendo com maior força, os adolescentes e jovens “youtubers” têm executado uma pluralidade temática a respeito do Brasil. Em resumo, a intelectualidade branca realiza um pacto narcísico para defesa dos seus mercados, para não dividirem seus ganhos materiais e simbólicos. Neste caso, estou me restringindo ao aspecto econômico. Para eles, neste caso, o negro persiste somente como objeto de pesquisa e no máximo de consumo para os seus livros sobre questão racial negra ou branca.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display