HDA: “Modelos negros precisam ser representados nas campanhas publicitárias”

0
3364
Helder Dias e suas modelos (Reprodução Instagram)

Hoje em dia, mas especificamente neste ano de 2017, a representatividade negra na publicidade aumentou consideravelmente. Nos outdoors, nos pontos de venda, em mídia digital, os rostos negros estão cada vez mais presentes, o que é bom para agências que se preocupam com a diversidade no seu casting de modelos.

Mas não foi sempre assim. Em 2000, quando nasceu a HDA Models, primeira agência especializada em modelos negros, o cenário era bem diferente. A Revista Raça Brasil era uma novidade, e ver os rostos negros nas bancas gerava admiração, mas também espanto. No entanto, as empresas não puderam negar o potencial de consumo da comunidade negra, que esgotavam a revista afro-centrada poucos dias após o lançamento, nas bancas.

A partir daí grandes marcas começaram a investir em cosméticos para negros e na suas campanhas publicitárias, uma loira ou uma morena, não despertariam a atenção do seu público alvo.

Helder Dias Araújo, fundador da HDA, viu de perto esse novo cenário de representatividade na moda nascer e conta mais sobre seu trabalho nessa entrevista exclusiva para o Mundo Negro.

Mundo Negro: O que te levou a começar e como e quando o negócio realmente cresceu?

Helder Dias: Não tinha pretensão nenhuma em criar uma agência de modelo, esse processo surgiu de forma bem natural e as coisas foram acontecendo aos poucos, em setembro de 2000, nasceu a HDA Models, que significa o meu nome (Helder Dias Araújo) e em fevereiro de 2001, já tínhamos a única modelo do nosso casting na primeira edição da SPFW.

O nosso trabalho começou a ganhar corpo e a crescer, após intensificarmos a nossa proposta de mostrar para o mercado da moda e da beleza que os modelos negros somam, que são importantes e precisam ser representado no mercado e nas campanhas publicitárias.

Quais as fontes de faturamento da agência?

A fonte de faturamento do nosso trabalho são os “Jobs” onde os modelos participam dos testes para os desfiles, editorias e campanhas publicitárias.

Trabalhar com modelos negros é um bom negócio?

Sim, claro, um ótimo negócio. Trabalhamos com pessoas que têm sonhos e quando elas chegam aqui na HDA Models, passam a desenvolver o seu potencial e são capacitadas para a profissão. A HDA é uma empresa como todas as outras, o diferencial é que somos, uma empresa de vanguarda, sustentável e engajada na valorização dos nossos modelos.

Quais foram ou são os principais modelos da agência e quais os principais trabalhos da HDA?

Os principais modelos da agência são  Yara Oliveira, Alexia Bairon, Jairo Pereira, Samira Carvalho, Juliana Nepomuceno, Fernando Bispo, Ednei Santos, Luana Laube, Janaína Lince, Gerlen Moura, Glauci Mello e Samille Araújo.

As principais campanhas são na área da beleza, onde as marcas sempre estão contratando nossos modelos para estrelar as campanhas de lançamentos dos seus produtos, além, dos trabalhos internacionais e das campanhas publicitárias que sempre tem no mínimo um modelo da HDA Models.

Aumentou bem a participação de negros na publicidade, as agencias procuraram mais a HDA ou foram as agências com casting mais variados que pegaram mais trabalho?

Com o surgimento da HDA Models no ano 2000, as outras agências perceberam as mudanças, foram se adequando ao novo formato e assim passaram a ter em seu casting, uma quantidade maior de modelos negros.

Com  essa concorrência saudável, os modelos negros passaram a ter mais oportunidades e começaram a conquistar o seu espaço, estando ou não na HDA Models. Isso nos deixa orgulhosos e felizes por fazer nosso trabalho.

Comments

comments