Fotógrafos contam suas experiências nas manifestações ‘Black Lives Matter’ em Nova York

0
479

Os protestos e conflitos civis resultantes da morte de George Floyd começaram em 26 de maio em Minneapolis, Minnesota, Estados Unidos. Desde então, marchas e manifestações em apoio ao movimento Black Lives Matter continuam em pequenas e grandes cidades do país e do mundo, o que  desencadeou conversas nacionais e internacionais sobre racismo sistêmico e desigualdade racial e estimulou mudanças no governo, nas empresas e na mídia.

Quatro fotógrafos que contribuem com a Shutterstock contam sobre sua experiência em documentar esses protestos históricos e compartilham as imagens que desejam que o mundo veja.

Steven Eloiseau

Steven tem documentado os protestos na cidade de Nova York. Ele usa uma câmera Canon 5D Mark IV e uma câmera Canon AE1.

Sobre documentar a história:

“Atualmente, estamos vivenciando a história e é difícil ignorar o que está acontecendo lá fora. Pela primeira vez em algum tempo, muitos estão falando, vozes estão sendo ouvidas, contas estão sendo aprovadas, demandas estão sendo atendidas e é realmente incrível. Mas ainda temos muito trabalho a fazer e estou feliz que as pessoas estejam testemunhando o efeito que um protesto pode ter.”

Imagem por Steven Eloiseau.

Sobre ser um fotógrafo preto nos protestos:
“Haviam muitas emoções em mim enquanto documentava esses protestos. Não me vejo como fotógrafo durante os protestos porque também estou lutando. Estou andando, cantando e chorando com todo mundo.”

Imagem por Steven Eloiseau.

“Saber pelo que estamos lutando e viver as experiências pessoais inesquecíveis de ser um homem preto na América só me leva a querer criar mais. Há histórias que precisam ser contadas para as futuras gerações  e tenho a vantagem de ajudar a conta-las do meu ponto de vista.”

Sobre encontrar momentos para capturar nos protestos:
“Ao fotografar em um protesto, é fácil capturar ótimas imagens de todos fazendo a mesma coisa em uníssono. Costumo procurar os manifestantes que estão fazendo algo diferente dos demais ou o manifestante que parece mais emocionalmente ligado ao que está acontecendo. Com a pandemia ainda ocorrendo e os rostos cobertos com as máscaras, estou lendo essas emoções através dos olhos deles.”

Imagem por Steven Eloiseau.

Sobre o uso da fotografia como plataforma para a justiça social:
“A justiça social tem realmente desempenhado um papel na minha vida há um tempo. Antes de me tornar fotógrafo em período integral, eu era educador há cerca de 8 anos e trabalhava apenas em escolas onde os alunos se pareciam comigo e em bairros que pareciam os meus onde cresci. Hoje, continuo usando a mesma abordagem em relação ao meu papel como fotógrafo. Eu uso minha plataforma para mostrar a arte e os talentos dos pretos, mas para mostrar que podemos estar no espaço como todos os outros. ”

Imagem por Steven Eloiseau.

Giles Harrison

Giles tem documentado os protestos em Los Angeles. Ele usa uma Nikon D610, lente Nikon 80-400mm, Nikon 28-300mm, Sigma 300-800mm e Nikon SB 910 Flash.


Sobre  documentar a história:
“É um sentimento indescritível documentar dessa maneira. Do ponto de vista jornalístico, há uma certa objetividade desapaixonada que se deve trazer ao executar o trabalho e que certamente afeta o que sinto, mas há um certo grau de respeito pelos momentos que você está capturando e pelas histórias que você está capturando com o objetivo de contá-las.”

Imagem por Giles Harrison, cortesia do artista

“Antes de tudo, ser fotógrafo é capturar um momento fugaz que define o assunto que você está registrando. Esses protestos estão transbordando com esses momentos que talvez nunca mais voltemos a ver. Hoje em dia, quase todo mundo tem um dispositivo para tirar fotos, mas poucas pessoas conseguem capturar a verdadeira essência de um momento, e é isso que sinto que [os fotógrafos] estão fazendo no momento. ”

Sobre o papel crítico da fotografia e do visual no movimento:
“Ser um fotógrafo de notícias significa dizer a verdade e as pessoas precisam ver em detalhes gráficos a verdade do mundo em que vivemos e os assuntos que estamos abordando. O catalisador desses protestos recentes em nossa história foi a morte sem sentido de George Floyd e a única razão pela qual o mundo está ciente do que exatamente aconteceu com ele é porque Darnella Frazier capturou sua prisão e o tratamento do Departamento de Polícia de Minneapolis com a câmera de seu celular. Imagine o que teria acontecido se ela não tivesse capturado? Nada, é isso: não estaríamos protestando pedindo a mudança do sistema.”

Imagem por Giles Harrison, cortesia do artista

Sobre encontrar momentos para capturar nos protestos:
“[Tento] capturar momentos de verdadeira conexão emocional e dramática. Qualquer coisa que ajude as pessoas a apreciar a magnitude e a natureza séria do momento na história em que vivemos. ”

Imagem por Giles Harrison, cortesia do artista

Sobre a cobertura de futuros protestos:
“Isso me forçará a capturar o momento em vez de apenas tentar tirar uma foto. Os protestos precisam ser cobertos, independentemente do movimento, para que as pessoas possam olhar e aprender sobre as causas pelas quais outras pessoas estão se sentindo tão apaixonadas. Certamente estarei cobrindo mais protestos, já que este é um momento sem precedentes na história moderna.”

Imagem por Giles Harrison, cortesia do artista

Chelsea Lauren

Chelsea tem documentado os protestos em Los Angeles com duas Canon 1sXMarkII, uma lente 70-200 II 2.8, lente 16-35 2.8 e 24-70 II 2.8.


Sobre a documentação da história:

“Parece surreal, para ser sincera. É estranho perceber que você está vivendo um momento de virada na história enquanto ela está acontecendo. Eu sinto que é importante que seja documentado da maneira mais autêntica possível. Espero que essas imagens durem para sempre e sejam vistas pelas gerações futuras nos textos da história. Tenho orgulho de ter uma pequena parte documentanda no ponto de inflexão que, esperançosamente, leva a um futuro melhor para as pessoas que foram sistematicamente oprimidas. ”

Imagem por Chelsea Lauren

Sobre a importância de documentar os protestos:
“É fundamental que as pessoas vejam o que está acontecendo. A internet e as redes sociais estão permitindo que o mundo veja tantas outras revoluções e defenda o que é certo. As pessoas que podem não ter tido acesso a esse tipo de conteúdo nas gerações anteriores agora podem ver que este é um verdadeiro movimento global e sentem que também podem fazer algo. O trágico assassinato de um homem mudou o mundo agora e para sempre. O vídeo original de George Floyd acendeu o pavio e as fotos e vídeos subsequentes desses protestos tiveram um efeito de bola de neve. Se isso não tivesse acontecido, o sistema seria capaz de continuar operando como sempre.”

Imagem por Chelsea Lauren

Sobre encontrar momentos para capturar nos protestos:
“Tento ser imparcial na minha fotografia. Fotografei policiais aparentemente irritados, policiais ajoelhados, manifestantes revoltados, manifestantes pacíficos, desordeiros e saqueadores, bem como suas consequências – todo o espectro. Quero contar a história como aconteceu, não apenas as partes que se encaixam no molde que eu gostaria que o mundo visse. A história completa é muito importante. ”

Imagem por Chelsea Lauren

“Como fotógrafa, exaltações e discussões sempre geram imagens dinâmicas. Mas também, imagens de mil pessoas pacificamente sentadas em um cruzamento falam o mundo. Se algum rosto me capturar, eu o fotografo. Geralmente, qualquer coisa que me faça olhar duas vezes – realmente não existe uma fórmula secreta. Acho intrigante a combinação do COVID com os protestos – ver pessoas com máscaras e sinais médicos – nunca antes visto. Isso realmente mostra como está o mundo hoje.”


Sobre documentar os protestos em meio a uma pandemia:
“A justiça social tem uma parte importante do motivo pelo qual estou cobrindo os protestos. Além de ser historicamente essencial ter tudo isso documentado, essa é uma causa que molda a própria fundação da sociedade e do mundo como o conhecemos. Antes de George Floyd ser assassinado, eu não havia saído de casa devido ao coronavírus. As minhas compras eram entregues na minha casa – e desinfetava tudo antes de entrar. Mas, quando isso aconteceu, eu disse a mim mesma: “Se eu ficar doente, eu fico doente. Isso é importante demais para ficar ociosa quando temos uma oportunidade para que os principais valores do mundo em que vivemos sejam finalmente reformulados.  Ainda estou muito atenta sobre o COVID; uso minha máscara e tomo todas as precauções possíveis quando estou fora, nos protestos, e quando não estou – ainda estou completamente isolada. Estou sendo testada semanalmente para garantir que eu não infecte ninguém acidentalmente. “

Imagem por Chelsea Lauren

Stephen Lovekin

Stephen tem documentado os protestos na cidade de Nova York usando principalmente equipamentos Nikon.

Sobre a documentação da história:

“É incrível ver tudo se desenrolar do jeito que está. Eu fotografo há mais de 25 anos e é uma curiosidade verdadeira quando você percebe que a história está sendo feita e que as coisas estão mudando tão dramaticamente diante de seus olhos. É inspirador.”

 Imagem por Stephen Lovekin, cortesia do artista

Sobre a importância de fotografar os protestos:
“Sempre que há protesto ou uma agitação social, é crucial documentá-lo, como também dar o seu melhor para entendê-lo. Então, nesse sentido, tento me manter o mais informado possível. E, em uma sociedade aberta, é imperativo que as pessoas tenham a capacidade de expressar seu descontentamento com quaisquer injustiças que tenham sofrido. Nesse caso, é com brutalidade policial – questão de opinião, obviamente. Mas o que realmente acho importante para as pessoas verem é a diversidade e a paixão nos protestos. A esse respeito, mostra realmente a necessidade de mudança no contexto mais amplo. O fotojornalismo é um componente-chave.”

Imagem por Stephen Lovekin, cortesia do artista

Sobre o papel da empatia na fotografia:
“Acho que minhas emoções sempre desempenham um papel naquilo que decido abordar e como decido abordar. Eu sinto que, se você se sente bem com o que está cobrindo – ou talvez se tentar ser mais empático -, as fotos que você tira tendem a ser melhores do que a do “observador desprendido. Sentir é ser humano. Apenas minha opinião.”

Imagem por Stephen Lovekin

“Quando estou cobrindo os protestos, procuro principalmente as imagens que melhor transmitem o espírito ou a energia do que está acontecendo ao meu redor. Se parecer dramático, vou procurar algo que possa ajudar a ilustrar isso. Pessoalmente, quero algo que vá impactar de alguma forma. Eu também quero que seja honesto. ”

Sobre o uso da verdade na fotografia para alcançar a justiça social:
“Na verdade, estou envolvido em manifestações – tanto como fotógrafo quanto como cidadão – há mais de vinte e poucos anos da minha vida neste momento. Para ser sincero, eu diria que a necessidade e/ou desejo de justiça social praticamente inspira a maior parte do que faço e da maneira como vejo o mundo. Como fotógrafo/artista, procuro momentos de verdade ou honestidade para tornar uma imagem interessante. É isso que me motiva. É o que me empolga. E, na busca pela justiça social, acho que é a busca pela verdade que nos ajudará a chegar lá um dia. ”

Comments

Comentários