Conheça Lehlogonolo Machaba, primeira mulher trans a concorrer a Miss África do Sul

0
Conheça Lehlogonolo Machaba, primeira mulher trans a concorrer a Miss África do Sul
Lehlogonolo Machaba ficou entre as Top30 do Miss África do Sul. Foto: Reprodução/Instagram.

Lehlogonolo Machaba quer usar sua exposição no concurso para promover uma maior aceitação da comunidade LGBTQIA+. África do Sul é o único país a aceitar casamento entre pessoas do mesmo sexo e a abordar direitos da comunidade LGBT em sua Constituição.

Como a primeira transgênero a competir no Miss África do Sul, a modelo Lehlogonolo Machaba quer usar a plataforma para promover uma maior aceitação da comunidade LGBTQIA+. Machaba, de 24 anos, competiu pelo título depois que o país se juntou a um número pequeno, mas crescente de países, incluindo EUA, Espanha, Canadá, Nepal e Panamá, que aceitam competidoras trans em seus concursos de beleza.

“Ser a primeira mulher trans na África do Sul a entrar no concurso foi realmente impressionante, mas ao mesmo tempo sou grata por ter tido a oportunidade de tentar defender minha comunidade. Vi nos últimos meses como pessoas queer foram mortas. Você tem tópicos nas redes sociais sobre crimes de ódio contra a comunidade. Portanto, ser a primeira é um pouco opressor e também estou ansiosa com a questão de que as pessoas agora saibam que sou uma mulher trans”, disse Machaba à agência Reuters.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo é legal na África do Sul e pessoas trans podem mudar de identidade no registro nacional de nascimento, mas a violência contra lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e pessoas queer aumentou, com mais de 10 pessoas mortas em ataques este ano, e o estigma social e a discriminação continuam fortes. Na maior parte do continente africano, relações entre pessoas do mesmo sexo são consideradas tabu e até mesmo crime.

A ansiedade de Machaba vem de saber que ela será estigmatizada por colocar um holofote nas questões que as pessoas transgênero enfrentam. Mas ela diz que a morte de um amigo próximo devido a um crime de ódio lhe deu forças para lutar.

“Significaria muito para mim, como mulher trans, ganhar o Miss África do Sul, mas também acredito que significaria muito para a comunidade queer, mais especialmente na África do Sul. Isso mostraria que o país está quebrando fronteiras, que há uma mudança de muitas maneiras, mais especialmente em relação à comunidade LGBTQIA+. Vimos como o mundo realmente trata a comunidade queer, mas na África do Sul isso pode mostrar que pelo menos um dos países africanos está avançando para a comunidade LGBTQIA+”, disse ela.

Machaba ficou entre as TOP30 do concurso, mas não está na lista das TOP10 finalistas anunciadas nesta terça-feira (3) pela organização do concurso.

*Com informações da Reuters.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display