Em Goiás, médico acorrenta homem negro, grava vídeo, gargalha e afirma: “Vai ficar na minha senzala”

0
Em Goiás, médico acorrenta homem negro, grava vídeo, gargalha e afirma: “Vai ficar na minha senzala”
Foto: Reprodução / Redes Sociais.

O médico Márcio Antônio Souza Júnior, morador da cidade de Goiás, antiga capital do estado homônimo de Goiás, está sendo investigado por injúria racial, após gravar e publicar um vídeo no qual um homem negro aparece acorrentado pelas pernas, com grilhões nos braços e no pescoço. No registro, o médico gargalha e ironiza a situação ao declarar: “Aí ó, falei para ele estudar, mas ele não quer. Então, vai ficar na minha senzala”, diz o profissional de saúde enquanto grava o homem acorrentado. Em outro momento do vídeo, o médico dispara: “tenta fugir”. O homem acorrentado responde: “tem como, não”.

De acordo com a Polícia Civil de Goiás (PCGO), o vídeo foi publicado pelo próprio médico no Instagram na terça-feira, 15 de fevereiro e foi apagado logo em seguida. As imagens teriam sido registradas em uma escola da zona rural da cidade, chamada Escola Municipal Holanda.

A prefeitura da cidade de Goiás, por meio da Secretaria Municipal das Mulheres, Juventude, Igualdade Racial e Direitos Humanos, emitiu uma nota de repúdio sobre o ocorrido:

“A prevalência dos direitos humanos e o repúdio a qualquer forma de racismo são princípios que regem a República Federativa do Brasil”, diz a nota. “O ato divulgado, sem explicação aceitável, causa profunda repulsa e deve ser objeto de investigação e apuração pela autoridade policial competente, para uma célere instrução e responsabilização nos termos da lei. Desta forma, a Prefeitura Municipal informa que acompanhará atentamente os desdobramentos da investigação e tomará as medidas de sua competência”, finaliza o texto.

Assim como reforça a nota da Prefeitura de Goiás, racismo e/ou apologia ao racismo, bem como a injúria racial são crimes previstos na Legislação brasileira. Além das disposições constitucionais e legais, a prática de qualquer ato que atente contra a dignidade humana por conta da cor da pele deve ser amplamente combatida pela Sociedade e pelo Poder Público.

O caso em questão segue sendo investigado pela Polícia Civil de Goiás. O médico e o homem que aparece acorrentado no vídeo foram intimados para prestar informações sobre o ocorrido.


Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display