“É um lugar de comida vibrante”, diz Rodrigo Freire sobre o Preto, seu novo restaurante

0
“É um lugar de comida vibrante”, diz Rodrigo Freire sobre o Preto, seu novo restaurante
Rodrigo Freire. Foto: Tales Hidequi.

Novidade em Pinheiros exalta cozinha de origem, natureza e calma em ambientes e sabores

“Mais do que um restaurante, o Preto é um lugar de comida vibrante, para se passar o tempo sem pressa”, define Rodrigo Freire, o idealizador do projeto recém-inaugurado em Pinheiros, São Paulo. Advogado de compliance e cozinheiro, o soteropolitano se dedicou a criar cada detalhe, da rampa da entrada à “praia” do jardim, passando pelos salões do restaurante e pelo bar-galeria de arte.

Imaginou também menus e momentos para cada espaço: cafezinhos com quitutes debaixo de uma árvore do quintal, coquetéis e petiscos nos arredores do balcão e das obras de arte, pratos afro-brasileiros, afetivos e sustentáveis em todas as mesas.

“A alma são os cardápios de casa, essa mistura de Portugal e África do dia a dia, que só tem acesso quem é baiano mesmo. É o pãozinho delícia dos lanches da tarde, o frango ensopado com quiabo da mãe, a carne de sol do padrasto, a moqueca de sexta-feira da avó, o xinxim de uma tia, o pudim de tapioca de outra”, explicita ele.

Ambiente do Preto. Foto: Tales Hidequi.

Aos sabores saudosos soma-se a sustentabilidade. Vai daí uma cozinha de poucos ingredientes base, usados integralmente em diversos processos, obtidos de produtores responsáveis e que, ao cabo, geram pouquíssimos resíduos.

Por exemplo, da raiz à folha, sem menosprezar o talo, tudo do coentro é porcionado a vácuo em saquinhos de fécula de mandioca para que sua vida seja prolongada. O coco rende leite e lascas. A tapioca da Feira de São Joaquim é vista como iguaria exclusiva do pudim com pé de moleque.

Já o camarão seco é um episódio à parte: pescado somente na lua nova se tiver tamanho maior que um dedo indicador por uma comunidade ribeirinha de Saubara, no Recôncavo, ele é defumado suavemente dentro de uma oca com brasas de aroeira. Quando chega ao Preto, não é visto como proteína, mas como tempero intransponível.

Dessa mesma vizinhança vem o dendê de manufatura, que dá cor e intensidade a diversas receitas sem cair no clichê gastronômico de panelas fumegantes. Aliás, não há clichês nas apostas da casa.

Ali, o arroz caldoso de xinxim de galinha traz farofa de banana para criar “cimento”; a polenta com açafrão real e coco tem ossobuco cozido longuissimamente; a feijoada branca é de frutos do mar e o Balaio de Gato, uma tábua com tentáculo de polvo, camarão, lula, mexilhão, filé de peixe e legumes assados na brasa, servidos sobre aipim frito e cuscuz de milho, foi montada para ser festivamente compartilhada.

Feijoada do mar é parte do menu do restaurante. Foto: Tales Hidequi.

As escolhas cuidadosas aparecem igualmente na carta de drinks, assinada por Christopher Carijó, e se evidenciam no Pancadinha (batida de coco, rum e limão siciliano acompanhada de cocada), no Boca de Zero Nove (gim, limão galego, toque de alecrim, canela e laranja servido em taça defumada) e no Miserê (gim, dendê, vermute, infusão de laranja bahia e noz-moscada).

A bem da verdade o zelo transborda o menu: há o algodão cru, a linha orgânica e os botões de coco dos uniformes, há a louça em pedra sabão e o mobiliário desenhados especialmente para a casa e que, em breve, estarão à venda junto às artes das paredes.

Os horários refletem a mesma filosofia: as portas não se fecham entre almoço e jantar para não prejudicar a brigada e o funcionamento do metrô, a uma quadra dali, é respeitado à risca. De segunda a segunda.

A única diferença é que, aos finais de semana, a casa abre um pouquinho mais cedo, com um brunch que inclui provocações como a Maria Bonita (um croque madame com requeijão de corte, presunto fresco, bechamel e ovo escalfado), o Zé Pequeno (queijo canastra quente e bechamel) e a Panqueca de Filme (com frutas e melaço de cana).

Em última instância, o Preto é sobre valorizar o simples com leveza e elegância, sem trair a ancestralidade da cozinha baiana. É sobre proporcionar uma atmosfera capaz de acalmar os ânimos e despertar a vontade de comer.

Rua Fradique Coutinho, 276 — Pinheiros | São Paulo. @preto.cozinha. Horário de funcionamento: segunda, das 12h às 23h. Terça, fechado. Quarta e quinta, das 12h às 23h. Sexta das 12h as 0h. Domingo das 10h às 20h.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display