E o Prêmio “Sim à Igualdade Racial 2021” vai para?

Esse evento é o nosso “Oscar” de excelência negra, que se consolida a cada ano e premia destaques em várias áreas. A premiação foi uma potente viagem, que fizemos juntos, pelo “mundo ideal”, pelo “mundo que sonhamos” e que estamos construindo, também, com a contribuição de eventos como esse. O Instituto Identidades do Brasil (ID_BR) mais uma vez nos oferece, além da premiação, um espetáculo que agrega música, arte, cultura e História, com personalidades negras fundamentais de hoje e do passado.

A premiação exibida pelo canal Multishow, contou com a impecável apresentação de Jéssica Ellen, Majur e Xamã, com alegria e emoção, em interação com os tantos outros artistas convidados, um desfile de talentos e diversidade musical, um panorama da riqueza de ritmos, belezas e vozes. Encontros de gerações dialogavam com as referências históricas do conceito artístico criado pelo Instituto e o roteirista e diretor artístico Elísio Lopes Jr., uma viagem entre passado, presente e futuro, por meio da arte.

Xamã Jessica Ellen e Majur – Foto: Ari Kaye

Não faltou impacto na apresentação do esperado dueto de Elza Soares e o Diretor musical do prêmio, Zé Ricardo, um momento emocionante e que vai ficar nas mentes de quem acompanhou a premiação. As marcantes performances de Gloria Groove, Ludmilla, Xande de Pilares e Agnes Nunes, fazendo a quem prestigiou querer mais e esquecer um pouco desses tempos difíceis sem show presenciais.

MC Carol e Ludmilla: Foto: Ari Kaye

Outros encontros também fizeram parte do espetáculo: MC Carol cantando com Tati Quebra Barraco, Flávio Renegado com Lukinhas, e Brô Mc’s.

Brôs MCs – Foto: Ari Kaye

O reconhecimento de alguns dos principais nomes e iniciativas em prol da igualdade racial no Brasil também foi espaço de arte como ferramenta de mudança, em acordo com os objetivos da premiação. “Transformar o ideal da igualdade em realidade é possível. Somos todas e todos responsáveis por esta co-construção, e entendemos que para mudar o mundo precisamos antes de tudo mudar a nós mesmos. Não devemos ter medo de abordar temas delicados como a pauta antirracista e revisar constantemente nossas atitudes do dia a dia. Esse é o primeiro passo para chegarmos no mundo ideal que queremos ter num futuro não tão distante.”, afirma a fundadora e Diretora-Executiva do ID_BR, Luana Génot, sobre o prêmio e outras iniciativas do Instituto.

Elísio Lopes, Luana Genot, Ludmilla, Zé Ricardo e Tom Mendes – Foto: Ari Kaye


Agora é a hora de conferir a lista de quem levou o Prêmio. E a premiação nas 10 categorias dos pilares Cultura, Educação e Empregabilidade vai para:



Pilar CULTURA

Categoria: RAÇA EM PAUTA

Trace Brasil

Trace Brazuca: inovação e representatividade são DNA de canal negro | Exame
A Trace é uma empresa global multiplataforma de mídia, entretenimento e educação que se conecta com públicos multiculturais por meio da música e de conteúdo afro urbano. Está presente em 27 canais da TV paga, rádio, serviços online e mobile disponíveis para 350 milhões de pessoas, em mais de 120 países. Lançada em 2003, a Trace tornou-se a marca líder de mídia para juventude afro urbana conectada na África Subsaariana, França, Caribe, Inglaterra e na região do Oceano Índico.
José Papa, que já foi CEO de Cannes Lions e da WGSN Global, está à frente da Trace Brasil, junto de Ad Junior, comunicador e consultor em diversidade, referência na produção de conteúdo sobre combate ao racismo e preconceito na mídia. A empresa chegou ao país em julho de 2019 e, em novembro, lançou o Trace TRENDS, exibido pela RedeTV!. O canal Trace Brazuca foi lançado em julho de 2020 nas operadoras Net/Claro, Vivo, Blue TV e Guigo TV, com pautas sobre música, comportamento, arte, diversidade, esportes e empreendedorismo.


Categoria:ARTE EM MOVIMENTO:

Alberto Pitta

Alberto Pitta Há 40 anos desenvolvendo trabalhos de pesquisas e criações artísticas, Alberto Pitta é um dos pioneiros na criação do que hoje se conhece por estampas afro baianas, se utilizando de símbolos, ferramentas, indumentárias e adereços dos orixás como fonte de inspiração. Sua vivência dentro de terreiros de candomblé favorece e estimula a criação artística, possibilitando assim a extração do essencial para a interpretação de códigos e símbolos. PItta se destaca no cenário artístico e cultural da Bahia, no que se refere ao carnaval dos blocos afro, afoxés e de indígenas em Salvador. Nos últimos 22 anos, se dedica a produção e concepção artística do Cortejo Afro, bloco que vem se destacando pelo resgate de valores estéticos no carnaval de Salvador, trazendo a arte de volta para as avenidas da cidade.


Categoria: DESTAQUE PUBLICITÁRIO:

Dove (Influência negra – Documentário Olhares cruzados)

Toda mulher preta tem em si uma história. São diversas vivências, olhares, caminhos Contemos nossas glórias para construção de uma autoestima bem preta e poderosa. “Olhares cruzados”, não é só um projeto documental. É sobre legado, ancestralidade, autoestima e construção do amor próprio.
Protagonizado pelas trajetórias inspiradoras de Cris Mendonça, Kiara Felippe e Joyce Fernandes e com trilha original de Hailanny Souza na voz de Bia Ferreira, esse documentário nos convida a ver o mundo sob outros olhares. O projeto foi produzido pela Influência Negra em parceria com a Dove e Refinery29.

Categoria: REPRESENTATIVIDADE EM NOVOS FORMATOS:

Tukumã Pataxó

Pilar EDUCAÇÃO

Categoria INTELECTUALIDADE:

Sílvio Almeida

Silvio Almeida Silvio Luiz de Almeida é um dos mais reconhecidos intelectuais brasileiros da atualidade. Jurista, consultor, advogado e palestrante há duas décadas, Sílvio tem doutorado e pós-doutorado em Filosofia e Teoria Geral do Direito, pela Faculdade de Direito da USP. Seu livro “Racismo Estrutural” é considerado um dos mais importantes estudos sobre raça e racismo. É também professor de Compliance Antidiscriminatório e Governança e Ética Corporativa da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP), e de Filosofia do Direito e Pensamento Social Brasileiro na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em 2020, foi professor visitante no Centro de Estudos Latino-Americanos e Caribenhos da Universidade de Duke (EUA). Se destaca por sua atuação à frente do Instituto Luiz Gama, organização que visa à inclusão de minorias e à promoção de uma educação antirracista. Nos últimos anos, proferiu palestras nacionais e internacionais sobre temas relacionados à ética, além de prestar consultoria para organizações públicas e privadas sobre a implantação de práticas antidiscriminatórias e técnicas de promoção da diversidade e inclusão.


Categoria INSPIRAÇÃO:

Conceição Evaristo

Conceição Evaristo é escritora, ficcionista e ensaísta. Mestre em Literatura Brasileira pela PUC/Rio, Doutora em Literatura Comparada pela UFF, sua primeira publicação em 1990 foi na série Cadernos Negros do grupo Quilombhoje. Foram 7 livros publicados, entre eles o vencedor do Jabuti, Olhos D’água (2015), 5 deles traduzidos para o inglês, francês, espanhol e árabe. Prêmio do Governo de Minas Gerais pelo conjunto de sua obra; Prêmio Nicolás Guillén de Literatura pela Caribbean Philosophical Association; Prêmio Mestre das Periferias pelo Instituto Maria e João Aleixo. Escritora homenageada em diversas Feiras Literárias. Mãe de Ainá – sua especial menina – em 2019, teve 3 de seus 7 livros, aprovados no PNLD Nacional e também foi a escritora homenageada da Olimpíada de Língua Portuguesa pelo Itaú Social. Lançou seu “Poemas da Recordação e Outros Movimentos” em edição bilíngue (português/francês) no Salão do Livro de Paris e “Olhos D’água” em francês pela Editora Des Femmes. Ainda em 2019, foi homenageada pelo Prêmio Jabuti como personalidade literária.


Categoria EDUCAÇÃO E OPORTUNIDADES:

Rede de professores antirracistas

Pilar EMPREGABILIDADE

Categoria COMPROMETIMENTO RACIAL:

99 JOBS


Categoria LIDERANÇA:

Helena Bertho


Categoria : TRAJETÓRIA EMPREENDEDORA:

Weena Tikuna

We’e’ena Tikuna
We’e’ena Tikuna We’e’ena TIKUNA é uma artista plástica do Amazonas, cantora, palestrante, Nutricionista, Design de moda, além de ativista dos direitos Indígenas e YouTuber. We’e’ena que significa “a onça que nada para o outro lado no rio”, nasceu na terra Indígena Tikuna Umariaçu no Amazonas, Alto Rio Solimões. Seus pais decidiram morar em Manaus para que seus 6 filhos pudessem estudar. Apesar de mudarem para capital, eles criaram a comunidade indígena Tikuna em Manaus para que os filhos não perdessem os costumes e a tradição de povo originário. Foi assim que We’e’ena cresceu, no entre viver de duas culturas, das tradições da aldeia aos costumes da cidade. Sofreu discriminação na escola por não falar o português, mas hoje é uma mulher guerreira que venceu todos os obstáculos e o racismo. Através de sua história de superação é espelho para muitos(a)s indígenas.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments