Dois suspeitos de invasão e assalto ao Terreiro Ilê Axé Ojisé Olodumare, na Bahia, são identificados pela polícia

0
1573
Foto: Almiro Lopes

Após serem vítimas de bandidos durante as festividades de Oxalá, no Terreiro Ilê Axé Ojisé Olodumare (Casa do Mensageiro), de Barra do Pojuca, na cidade de Camaçari, Região Metropolitana de Salvador, o babalorixá Rychelmy Imbiriba emitiu uma nota de pesar relatando todo o ocorrido e afirmando ter sido um ato de intolerância religiosa. A Polícia Civil, apesar das testemunhas, descarta o indicativo de intolerância religiosa cometida pelos bandidos.

A invasão ao Terreiro ocorreu no último sábado (12). O babalorixá e o fotógrafo que registrava a festa foram levados para a emergência e tiveram que levar pontos no rosto por causa das coronhadas que levaram. O nome do fotógrafo não foi divulgado.

Segundo relatos de pessoas presentes, seis homens invadiram a cerimônia anunciando assalto e proferindo palavras contrárias ao candomblé. Além de objetos pessoais das pessoas que estavam presentes e um carro, foram levados objetos sagrados dos Orixás da casa.

A 33ª Delegacia Territorial (DT) de Monte Gordo está realizando a investigação. A Policia Civil já identificou dois homens suspeitos de participar do assalto. Em entrevista ao Correio da Bahia, bàbá Rychelmy se mostrou incomodado com a postura dos policiais em relação aos demais danos causados ao local. “Quando foram à delegacia, os integrantes do terreiro relataram a intolerância religiosa, os xingamentos, a violência contra os orixás no momento de transe, mas os policiais só queriam saber do que foi roubado, só a questão material”.

Veja a nota publicada pela Casa do Mensageiro.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Em nome do Babalorixá Rychelmy Imbiriba e todo Egbé do Ilê Axé Ojisé Olodumare viemos através dessa nota relatar mais um caso de violência e intolerância religiosa que infelizmente acometeu nossa família neste sábado (12.01.19). Hoje, durante a cerimônia pública em louvor a Osalá, nossa casa foi invadida por bandidos armados que além de levar os pertences dos presentes (Egbé e convidados) profanaram a nossa fé, desrespeitaram nosso espaço sagrado, o nosso culto e agrediram o fisicamente o Babà Rychelmy Esutobi. Nesse momento, lembramos do quanto a nossa religião foi duramente perseguida. É impossível não lembrar do nosso ancestral, nosso avô Pai Procópio de Ogunjá que tanto foi perseguido como alvo de violência. E, apesar de toda perseguição se manteve firme na fé e seguindo na religião. Hoje somos alvo da violência que assola toda a nossa sociedade, acrescida da violência religiosa. Apesar de todo ocorrido estamos bem e continuaremos contritos em nossa fé conforme nossos antepassados nos ensinaram. Pedimos desculpas aos presentes na festa por terem vivido esse momento de aflição em nosso espaço que tanto remete a paz e segurança. Tomaremos as providências cabíveis para que fatos como esse não mais ocorram em nosso Ilê Axé. Atenciosamente, Família Ojisé.

Uma publicação compartilhada por Casa Do Mensageiro (@casadomensageiro) em 12 de Jan, 2019 às 8:05 PST

Comments

Comentários