Documentário “Matéria de Cinema” fala sobre questão de lixo nas comunidades

0
519
Foto: Reprodução

Atravessado pela questão do lixo nas comunidades, média-metragem de Beatriz Ohana estreia trazendo relatos das crianças da comunidade Independência, de Petrópolis (RJ). 

No dia 14 de Fevereiro, às 15h, o documentário será lançado em uma sessão virtual exclusiva. “Matéria de Cinema” é o primeiro documentário de Beatriz Ohana e sua produtora, a Engenhoca Filmes, que tem patrocínio do Estado do Rio de Janeiro / Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e Governo Federal através da Lei Aldir Blanc. 

O média-metragem mostra toda a trajetória do projeto, desde quando era um cineclube no Centro Educacional Comunidade São Jorge até a criação de uma formação audiovisual para os alunos. A experiência inédita culminou na realização do curta ficcional “A incrível aventura das sonhadoras crianças contra Lixeira Furada e Capitão Sujeira”, que teve o roteiro desenvolvido a partir da visão das crianças sobre o maior problema que detectaram no bairro: o lixo. 

“O projeto se engajou no contexto social dos alunos, com o objetivo de entender suas dores e sonhos para, então, transformá-los em filme. Crianças de 08 a 14 anos que nunca haviam tido contato com o fazer cinematográfico passaram por toda a parte de formação audiovisual, trabalhando ainda questões sérias a respeito do lugar onde moram e a visão que possuem sobre aquele espaço”, relembra Beatriz que, até então, nunca havia desenvolvido um projeto para crianças.

 “Foi surpreendente. Elas passaram a pensar mais no cuidado com os espaços do bairro e com o planeta. Acredito que o processo de formação artística está diretamente ligado ao desenvolvimento do pensamento crítico e a formação cidadã”, destaca a cineasta, cuja ficção já ganhou quatro prêmios. 

O lançamento do documentário terá transmissão simultânea pelo YouTube e pela página do Facebook do Cine Pagu no dia 14 de Fevereiro das 15h às 18h e contará com a presença de uma intérprete de libras, tornando o conteúdo mais democrático e inclusivo. Paralelamente, Beatriz ainda inaugura a plataforma cinepagu.com.br onde será possível que professores e estudantes de todo o Brasil agendem sessões de ambos os filmes em suas próprias escolas. 

“O site terá também informações do projeto e dados dos filmes, como ficha técnica, fotos, trailers, curiosidades e extras. A ideia é que a história das crianças chegue a diversos lugares. Disponibilizar os filmes para outras realidades geográficas e escolares através de acesso remoto gratuito é um incentivo para que as próximas gerações também comecem a pensar na questão ambiental como algo grave e urgente”, complementa. 

Comprometida com a região onde vive e desenvolveu o projeto, Beatriz ainda distribuirá kits por 62 escolas estratégicas da rede municipal de ensino de Petrópolis. Cada escola receberá um pen drive com o documentário e o curta completos, além de um material especial de apoio para realização de debates e atividades. “O cinema pode ser uma excelente ferramenta para oportunizar acesso a informações e conteúdos que normalmente não chegariam a determinados lugares, seja por questões geográficas, culturais ou econômicas. Nós, do Cine Pagu, sonhamos com uma realidade onde o cinema seja utilizado em cada escola e em cada bairro dos cantões desse país, onde o audiovisual comece um novo capítulo da nossa história. Uma história que incentiva formações e propicia o conhecimento do fazer artístico de forma democrática. E é exatamente sobre isso que o documentário irá falar”, finaliza. 

Programação: Exibição dos dois filmes seguida de conversa com as crianças, membros da equipe e nomes da área de cinema e educação. 

FIicha técnica: MATÉRIA DE CINEMA – 2021, 45 min, documentário

Direção: Beatriz Ohana Roteiro Beatriz Ohana Montagem Daniel Figueiredo Imagens adicionais e Correção de cor Mariana Rocha 

Sinopse: O filme conta a história do Cine Pagu na Escola, um projeto realizado em 2019 com 43 crianças de 08 a 14 anos do Centro Educacional Comunidade São Jorge, na comunidade da Independência, em Petrópolis (RJ). A partir de imagens de bastidores de todo o processo e relatos da equipe e das crianças participantes, o documentário apresenta o projeto desde o início, quando ainda era um cineclube na escola, até a criação da formação audiovisual, que durou seis meses e culminou na realização do curta “A incrível aventura das sonhadoras crianças contra Lixeira Furada e Capitão Sujeira”, que vem sendo exibido e premiado em diversos festivais de cinema dentro e fora do Brasil. 

Sobre Beatriz Ohana: é produtora e cineasta. Graduanda em Artes Visuais, estudou Montagem e Edição na Escola de Cinema Darcy Ribeiro e na Academia Internacional de Cinema (AIC), onde também cursou Produção Executiva.

Comments