Criolo, Emicida e Céu anunciaram nesta quarta-feira (8) o lançamento do espetáculo ‘Amor, Ordem e Progresso’. Os artistas apresentarão o show inédito no festival João Rock, dia 11 de junho, em Ribeirão Preto. “‘Amor’ precisa entrar na bandeira do Brasil para que, lá no futuro, nos lembremos que essa palavra está ali por um motivo: a ausência do amor como política pública custou a vida de mais de 650 mil pessoas. Qual é a magnitude dessa destruição?”, afirmou Emicida em comunicado.

O espetáculo ‘Amor, Ordem e Progresso’ tem o intuito de contaminar a sociedade com o desejo de construir uma identidade nacional que abarque a diversidade e a pluralidade do povo brasileiro. De acordo com os artistas, o show será uma verdadeira viagem no tempo, ressaltando como a cultura popular brasileira sempre esteve à frente do seu tempo. O espetáculo será dividido em três atos: “Sankofa”, “A Nave” e “Ainda há tempo?”. Cada um destes blocos é responsável por conduzir a linha narrativa e o sentimento desejados pelo trio. Além de músicas dos três artistas, o repertório é costurado ainda por canções que são pilares da cultura brasileira.

Foto:  Lana Pinho.

No ato “Sankofa”, que leva o nome da filosofia africana que diz que é importante retornar ao passado para ressignificar o presente e construir o futuro, a apresentação busca conexão com a herança ancestral. “Boa Esperança” e “Convoque Seu Buda”, de Emicida e Criolo, respectivamente, estão entre as faixas preparadas para esse momento, assim como “Vapor Barato”. Esta última, conhecida na voz de Gal Costa, é de autoria de Jards Macalé e Waly Salomão. Jards, inclusive, foi uma das pessoas que já defendeu a alteração da frase da bandeira do Brasil, tendo lançado um disco com o título Amor, Ordem & Progresso (2003).

O segundo ato, “A nave”, tem como objetivo capturar o público pelo sentimento. Da sua safra, Céu apresenta “A nave vai” e “Malemolência”; Criolo entoa “Não Existe Amor em SP” e “Duas de Cinco”; enquanto Emicida surge com “AmarElo” e “Hoje Cedo”.

Foto: Lana Pinho.

“Ainda há tempo?” é o bloco final do espetáculo. Não à toa, o título vem acompanhado por um ponto de interrogação. Nele, aparecem músicas que questionam o atual estado de espírito do nosso povo, mas deixam uma mensagem de fé e esperança para a sociedade. “Nada Será como Antes”, do Clube da Esquina; e “Carinhoso”, de Pixinguinha, são pérolas resgatadas para este grande finale, junto de “Varanda Suspensa” (Céu), “Menino Mimado” (Criolo) e “Principia” (Emicida).

Inicialmente, o show ‘Amor, Ordem e Progresso’ foi pensando exclusivamente para o festival João Rock. Ainda não há informações sobre a continuidade do projeto.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments