Conheça o Coletivo de Mulheres Pretas do Chocolate

0
Conheça o Coletivo de Mulheres Pretas do Chocolate
Foto: Reprodução

O Coletivo Mulheres Pretas do Chocolate surgiu em 2021 como uma estratégia de unir mulheres pretas que trabalham com chocolates na Bahia, Rio de Janeiro e Pará. Suas criadoras Pat Nicolau (da Nicolau Chocolates) e Mailan Santos (do Chocolate da Mata) se perceberam como únicas mulheres negras num grupo de aproximadamente 200 mulheres que trabalharam com chocolates no Brasil e deram o pontapé inicial nessa proposta focada no Slow Food.

Foto: Reprodução

O Slow Food é uma perspectiva na gastronomia que valoriza a sustentabilidade e a cadeia produtiva. Em resumo, não basta apenas ser uma comida gostosa e bonita – os ingredientes utilizados devem ser produzidos respeitando todos os envolvidos na cadeia produtiva (as pessoas e o meio ambiente). Se você quiser compreender um pouco mais sobre essa perspectiva, te convido a ler o meu livro ‘Gastronomia, Cerveja Artesanal e Slow Food: ideias de negócios sustentáveis’, publicado em 2020 pela Editora CRV.

Nessa pegada do Slow Food, 23 associadas do Coletivo Mulheres Pretas do Chocolate produzem artesanalmente seus produtos e os disponibilizam para a venda. São chocolates agroecológicos, que respeitam as pessoas e o meio ambiente. A técnica de fermentação de amêndoas do cacau foi gentilmente liberada para uso do coletivo por Albertus Eskes – um dos maiores geneticistas de cacau do mundo. Essa técnica do pesquisador tem como principal característica a retirada o amargor do cacau, trazendo sabores frutados com notas aromáticas diferenciadas.

Foto: Reprodução

E com esse olhar sustentável e agroecológico na produção de chocolates era de se esperar que todas a associadas estivessem vendendo muitos chocolates e sem capacidade operacional para aceitar novos pedidos. Mas não é isso que acontece especificamente com Pat Nicolau no Rio de Janeiro. O buraco é bem mais embaixo e a criadora do coletivo, desabafa sobre as dificuldades de ser uma mulher preta empreendendo na Gastronomia:

“Eu faço chocolate há anos e tenho muitas dificuldades em ser reconhecida pelo que faço. Precisei ser notícia no Instagram de um jornalista de gastronomia para que colegas quisessem entender o que eu proponho. Eu sempre expliquei com carinho, mas eles nunca quiseram compreender. Precisou de um jornalista reconhecido escrever sobre a experiência que criei – 12 Desejos do Cacau – para que as pessoas dissessem que agora compreendiam minha proposta.”

No interior do Rio de Janeiro (Macaé), Pat tentou empreender oferecendo a amigos de universidade, empresários e pessoas influentes na gastronomia seus chocolates produzidos à luz da perspectiva do Slow Food. Investiu mais de R$ 2.000,00 em degustações e pré-teste de eventos. Leitor(a), sabem quantos contratos ela fechou? Nenhum. E ela sabe o porquê disso: uma mulher preta vendendo chocolate de altíssima qualidade não deveria estar nesse mercado. Sim, a gastronomia é eurocêntrica e ela sentiu na pele esse contexto no interior do estado e na capital. Segundo a empreendedora, tem gente preta influente que diz que é linda a ideia, mas não ajuda a abrir uma porta sequer.

E uma das situações concretizou o entendimento da criadora do Coletivo Mulheres Pretas do Chocolate sobre a incoerência de ação de alguns consumidores sobre o que eles falam e como eles agem tem relação com uma experiência vivida num shopping: a mesma amiga que disse procurar chocolates agroecológicos há anos e elogiou Pat pela iniciativa, foi a mesma que saiu de uma loja de chocolates finos com mercadorias.

O discurso é lindo, né gente!? Mas na prática essas mulheres precisam não apenas serem vistas, mas consideradas como produtoras e vendedoras de chocolates de altíssima qualidade. A minha parte eu já fiz – que foi contar essa história. Agora conto com vocês de fazer esses sonhos de 23 mulheres pretas acontecerem!

Axé.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display