Benê Ricardo: a chef das chefs

0
Benê Ricardo: a chef das chefs
Foto: Reprodução/Pense Comida

Como colunista do Mundo Negro quero dar o primeiro spoiler do livro Gastronomia Preta, que será lançado em novembro, e apresento a vocês a trajetória desta mulher que de tornou inspiração para muitas outras mulheres negras que trabalham com gastronomia no Brasil e que buscam entender e valorizar a história do povo preto.

Benê Ricardo é sinônimo de resistência, resiliência, sucesso e inspiração para muitos(as) chefs pretos(as) no Brasil. Com a ajuda de Fernando Ueda, amigo pessoal de Benê e quem guarda parte de seu acervo, a história dessa grande chef (que muitas vezes foi invisibilizada) é contada com muito orgulho neste texto que estará no livro. E por representar tantas pessoas e a história de uma gastronomia genuinamente brasileira é que temos essa grande chef na capa do primeiro volume da coleção.

Em 1981, aos 38 anos, Benê Ricardo foi a primeira mulher brasileira a receber um diploma de chef de cozinha no país. E nesse contexto de um momento da ditadura e do sexismo, Benê Ricardo fez história na gastronomia – foi e sempre será parte da história de muitas mulheres cozinheiras e chefs no Brasil.

Mineira de Ouro Fino, ficou órfã aos 12 anos e virou empregada doméstica nessa idade. Trabalhando na casa de uma família de descendentes de europeus, recebeu o convite para acompanhá-los e partiu rumo à Europa, voltando de lá (anos depois) especialista em culinária alemã. Ganhou um concurso de receitas da Revista Cláudia e seu prêmio foi trabalhar na cozinha experimental do periódico. E continuou a voar e a inspirar muitas futuras cozinheiras e chefs pretas.

Defensora da biodiversidade e dos insumos tipicamente brasileiros, Benê Ricardo sempre esteve na vanguarda. Como aponta Fernando Ueda, “(…) a chef morreu atualizada e também na vanguarda. Levou a taioba (verdura tipicamente presente na culinária popular mineira) para São Paulo, usava diferentes castanhas no preparo de biscoitos e era assertiva com seus pares nas cozinhas”. Se com os amigos a chef Benê era um doce, na cozinha sempre tinha alguém com medo de errar perto dela em função dela sempre querer a perfeição. E, quando a chamavam para fazer avaliações de restaurantes, sempre dizia a verdade – e isso não agradava outros chefs de cozinha e donos de restaurantes quando o preparo não estava dentro do padrão de qualidade da chef.

Como especialista em cozinha alemã, o racismo se fazia presente de maneira explícita de diferentes formas. Em um jantar feito para alemães, um deles chegou e comentou na sua língua para outro compatriota: “Onde já se viu negro fazer comida alemã!”. Benê, fluente em alemão, respondeu: “Eu faço. E faço muito bem!” Não deveria existir à época a gíria, mas a gente atualiza: Benê sambou na cara do gringo alemão com essa resposta!

Uma vez por mês, em Santana (bairro da zona norte paulistana), a chef preparava um almoço para amigos que trabalhavam perto de sua casa – a definição de VIP também foi atualizada neste momento. Em 2018, nos deixou órfãos – mas o seu legado permanecerá. E até hoje esses amigos VIPs se encontram e o grupo de WhatsApp se chama “Chef Benê”. Seus amigos conversam todos os dias neste grupo e Benê se faz viva para eles e para todos profissionais de gastronomia pretos(as) do Brasil.

Capa do livro Gastronomia Preta

Olhar para nossa ancestralidade é muito importante; e, reconhecer os que vieram antes da gente, também. Por isso, a capa do livro é uma homenagem à chef Benê Ricardo: a primeira mulher a se formar em um curso profissional em Gastronomia no Brasil. Não seria possível pensar no primeiro volume da coleção Gastronomia Preta sem evidenciar logo na capa a importância dessa profissional. Espero que agora, com essa homenagem, muitos e muitas de nós possamos reconhecer a importância da mulher preta na gastronomia brasileira.

Axé!

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display