No domingo, 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, o ‘Fantástico’ exibe a entrevista histórica que Maju Coutinho fez com a ativista estadunidense Angela Davis. Essa será a primeira entrevista dela para uma TV aberta brasileira. “Nossa reportagem vai apresentar algumas ideias da Angela para o público brasileiro, falamos sobre racismo, sistema penitenciário, feminismo, entre outros assuntos”, adianta Maju. Filósofa, escritora, professora, reconhecida por sua luta antirracista e feminista, Davis teve seus discursos lançados no Brasil na coletânea ‘O sentido da liberdade e outros diálogos difíceis’ e as duas conversam por vídeo sobre os temas abordados na obra.

Maju Coutinho e Angela Davis. Foto: Reprodução / Fantástico

“Quando éramos crianças, brincávamos de correr para a área reservada apenas a pessoas brancas, um bairro que ficava do outro lado da rua onde eu morava. Sabíamos que estávamos infringindo a lei, mas quando crianças, inventamos esse jogo em que atravessávamos a rua correndo e às vezes até subíamos os degraus, tocávamos a campainha e tentávamos fugir antes que o branco atendesse. Era diversão. Mas, ao mesmo tempo, era resistência”, destacou Angela, ao defender como foi encorajada desde a infância – dentro de casa, pela mãe, na escola, por membros de sua comunidade e da igreja – a se posicionar contra o racismo.

A ativista falou ainda sobre as novas práticas racistas, que acontecem em diferentes lugares do mundo, e que ficaram ainda mais evidentes após a pandemia. “O racismo é mutável e se expressa de várias maneiras. Durante décadas, muitos de nós argumentamos que o racismo é principalmente institucional, estrutural e sistêmico, e não simplesmente as atitudes de indivíduos. E durante a pandemia do COVID, vimos um número desproporcional de negros e indígenas morrendo por causa do racismo no sistema de saúde”, explica ela, apontando ainda que apesar de vivermos dentro de uma estrutura racista, a ação individual não pode ser menosprezada: “As pessoas, eu acho, começaram a fazer a conexão entre essas instituições sociais que são racismo e assistência médica, racismo e policiamento, racismo e prisão. E assim, portanto, não acho que elas agora contestem o fato de que o racismo está profundamente enraizado nas estruturas de nossa sociedade, o que não quer dizer que o racismo também não seja expresso nas atitudes das pessoas”.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments