Eu sou do time que criar e prestigiar nossos próprios espaços é mais revolucionário do que ocupar espaços onde nunca fomos bem-vindos.

O processo de inclusão e diversidade é tudo menos espontâneo. Tudo acontece por uma pressão de uma camada da sociedade que exige ser incluída.

O problema é que a camada privilegiada não vê motivos para dividir o espaço à mesa, porém como diz o Tayler Perry nada melhor que construir a própria mesa.

O NAACP Image Awards, promovido pelo National Association for the Advancement of Colored People  (NAACP) é uma premiação que acontece anualmente nos EUA para reconhecer o talento da comunidade negra na música e audiovisual.

A 51ª edição aconteceu no último sábado, 22 de fevereiro e levou uma constelação negra para Califórnia. A cereja do bolo é a parceria com a BET, canal de conteúdo negro,  responsável pela exibição do programa na TV.

Google, Hyundai, Ford, ESPN e American Airlines foram, alguns dos vários e grandes patrocinadores e co-patrocinadores do evento ( e olha que nos EUA negros são menos de 20% da população).

A cantora e empresária Rihanna foi uma das personalidades a receber o “Prêmio do Presidente” durante o evento, juntamente com o lendário ativista e congressista John Lewis.

Riri além de comparecer ao evento,  fez um discurso muito importante sobre união. A milionária, dona da marca Fenty, também já recebeu homenagens da Harvard por sua atuação na área filantrópica.

Michael B. Jordan, Lizzo, Trace Ellis e quase todo elenco de Black-ish, Angela Basset , Jammie Foxx, Janelle Monae, Octavia Spencer foram alguns dos presentes e os que levaram a estatueta do prêmio para casa, mostraram em seus discursos o reconhecimento da importância de um prêmio como esse feito por e para pessoas negras. “É sempre lindo quando nosso povo celebra o que é nosso”, disse Jamie Fox.

Aqui no Brasil ainda estamos no processo de convencer a branquitude de que é o nosso suor e dinheiro que movem o país. Os mais pacientes ainda ensinam os brancos o que é racismo e como somar na luta.

Nos EUA sabemos que as tensões raciais são tão acirradas quanto as nossas aqui, mas qual marca que não quer seu nome associado a um evento com tantas pessoas famosas e influentes?

Sem nem 1/3 de toda badalação e principalmente investimento de empresas, o mais próximo de um evento nesse estilo aqui no Brasil são o Troféu Raça Negra promovido pela Afrobras e o Prêmio Sim à Igualdade Racial, do ID_BR.

A participação das marcas é fundamental, mas o envolvimento da comunidade negra, famosa e não famosa é o motivo pelo qual o NAAPC tem mais de meia década.

 

Comments

Comentários