Tati Villela recebe prêmio de melhor atriz no Festival do Rio

0
Tati Villela recebe prêmio de melhor atriz no  Festival do Rio
Foto: Reprodução.

Protagonista do filme “Mundo Novo”, dirigido por Álvaro Campos, atriz colhe os frutos de sua atuação 

“Estamos vivendo um período histórico onde as novas narrativas e novos imaginários são essenciais para a evolução da nossa sociedade”, destaca a niteroiense Tati Villela, ganhadora do Troféu Redentor na categoria melhor atriz na competição oficial da Première Brasil que aconteceu nesse domingo (19), na 23ª edição do Festival do Rio, o maior festival de cinema da América Latina. Dando vida à advogada Conceição, no filme “Mundo Novo”, de Álvaro Campos, esse é seu primeiro longa, já estreando como protagonista, gravado durante a pandemia no Vidigal e Leblon, o filme narra as complexidades da relação entre o casal inter-racial Cons e Presto.

“Esse prêmio tem uma grande importância na minha vida, na minha carreira e no cinema brasileiro. Esse prêmio mostra a importância de atores e atrizes pretos habitarem de forma igualitária o audiovisual e o cinema, principalmente no país. Esse prêmio não tem como ser só meu, ele é dedicado a todas as atrizes negras que vieram antes de mim e abriram a mata, coração e o tapete vermelho para eu poder estar aqui. É de um simbolismo gigante ele chegar nas minhas mãos nesse momento, onde precisamos cada vez gerar oportunidades iguais para todos”, destaca Tati.

Em outras categorias ganharam o prêmio especial do júri o filme “Medida Provisória”, de Lázaro Ramos. Melhor direção/ficção, Anita Rocha da Silveira por Medusa e Laís Bodansky por “A Viagem de Pedro”. Romulo Braga como melhor ator por “Sol”. Lara Tremouroux, por “Medusa”. Sérgio Laurentino como melhor ator coadjuvante por “A Viagem de Pedro”. O troféu de melhor roteiro ficou com Álvaro Campos e elenco também pelo filme “Novo Mundo”. Melhor direção/documentário com Murilo Salles com “Por Uma Baía”. Melhor fotografia por “Casa Vazia”, Ivo Lopes Araújo. Já o prêmio de melhor montagem ficou com Eva Randolph por “Uma Baía”. 

Tendo na bagagem uma carreira consolidada no teatro, a niteroiense, de 35 anos, que nasceu no Morro do Cubango, por meio desse reconhecimento colhe os frutos de sua entrega a essa personagem. 

Com uma economia reservada, Cons, como é carinhosamente conhecida, é uma advogada com uma carreira promissora, já Presto, mais jovem que ela, é um artista cheio de sonhos. Durante o período de isolamento social, eles se aproximam mais intimamente, e Presto decide morar com Cons em sua casa localizada no Leblon. 

“A minha personagem é a Conceição, uma mulher que tenta enxergar no Presto, o homem para dividir a vida, para casar, morar no mesmo lar e constituir uma família”, conta a atriz. 

Rompendo barreiras numa sociedade que marginaliza a imagem da mulher negra, a vida de Tati se confunde com a de sua personagem no que tange a força negra feminina em meio ao racismo estrutural. “É importante representarmos mulheres negras bem sucedidas no audiovisual. Precisamos nos acostumar com essa realidade. O mercado está cheio de atores negros ávidos para trabalhar e querendo oportunidades para poder representar personagens múltiplos, contribuindo para a formação de novos imaginários, novas narrativas, trazendo para o centro da cena outras perspectivas e  subjetividades”, pontua. 

E completou dizendo: “É uma grande honra ter competido ao lado de outras atrizes e fazedores de arte que eu tanto admiro como Lázaro Ramos, Taís Araújo, Ailton Graça, Joelzito Araújo, entre outros. Estou muito feliz em mostrar o meu trabalho nesse festival e comemorar a volta presencial aos cinemas”, conclui.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display