“Sempre pintei”: Ingrid Silva comemora a primeira sapatilha com o seu tom de pele em 11 anos de carreira

0
1163

A comunidade negra tem avançado em vários setores, contudo, se olharmos microscopicamente há aspectos sócio-culturais ainda muito atrasados, quase inertes.

É difícil de acreditar que um dos maiores destaques da dança da atualidade, Ingrid Silva, primeira bailarina da renomada companhia Dance Theatre of Harlem, só após 11 anos de carreira conseguiu comprar a primeira sapatilha com a cor da sua pele. E olha que ela mora nos EUA, país com mais diversidade em produtos que o Brasil.

No visual a bailarina, a sapatilha é algo muito discreto por ser uma forma de extensão do corpo e portanto, para quem tem pele negra, o calçado rosado ou muito claro, não funciona.

Ingrid usou suas redes sociais para celebrar essa conquista que ela acertadamente define como revolucionária: “Pelos últimos 11 anos, eu sempre pintei a minha sapatilha. E finalmente não vou ter mais que fazer isso! FINALMENTE. E uma sensação de dever cumprido, de revolução feita, viva a diversidade no mundo da dança. E que avanço viu demoro mas chego! A vitória não é somente minha e sim de muitas futuras bailarinas negras que virão por aí”.

As sapatilhas são feitas pela Chacott, uma marca japonesa, mas importada pela Freed London.

Conversei um pouco com ela sobre esse momento histórico:

Qual a primeira coisa que veio em sua mente quando você colocou suas novas sapatilhas no pé? 
A primeira coisa que veio a minha cabeça foi: ‘ finalmente a diversidade no mundo da dança está começando a ser aceita!’.

Queria deixar claro que não simplesmente comprei está sapatilha, eles customizaram especialmente para mim. Eu juro que achei que iria me aposentar e não ver este dia, mas graças ao meu ativismo e luta! Eu consegui. É um ato revolucionário!

Então a customização foi algo que você pediu?

Sim, claro, eu pedi. Já estava conversando com eles, há anos e em fevereiro deste ano, nós conversamos sobre a possibilidade de fazê-la. Depois desde lá, até agora, demorou esse tempo para customização e para chegada aqui em Nova Iorque.

Na minha ignorância achava que a questão maior na estética do balé, era só no cabelo e penteados. Nunca pensei nas sapatilhas. 

Sim cabelo, sapatilha, meia… Tem muita coisa em jogo. As pessoas não sabem.  Agora a luta será por meia calça e colans da cor da pele. Seguimos lutando.

(Fotos: Arquivo pessoal/Instagram)

 

 

 

 

 

Comments

Comentários