O cantor e ator Seu Jorge publicou um vídeo em suas redes sociais onde comenta os ataques racistas sofridos por ele durante apresentação no clube Grêmio Náutico União. Com a bandeira do Rio Grande do Sul ao fundo, ele começou a descrever sua relação com o estado, e um pouco do que foi sua apresentação na última sexta-feira (14).

“A verdade é que eu estava bastante empolgado porque já fazia um certo tempo que não me apresentava em Porto Alegre com a minha banda”, disse o cantor no vídeo. O artista e sua banda foram contratados para realizar um show no jantar de comemoração à reinauguração de um salão do Grêmio Náutico União.

Seu Jorge contou que, do fundo do palco, ao ouvir as vaias e xingamentos, decidiu retornar, agradecer o público presente e encerrar o show, sem realizar o famoso “bis”. “Não reconheci a cidade que aprendi a amar e respeitar. Não era a cidade que eu conhecia, dos inúmeros shows com as bandas amigas. Na verdade, o que eu presenciei foi muito ódio gratuito e muita grosseria racista”, afirmou.

Seu Jorge aproveitou o vídeo para reafirmar sua relação com as pessoas do Rio Grande do Sul. “Quero aqui agradecer imensamente o carinho e suporte que recebi de toda a gente de Porto Alegre que se sensibilizou com o que aconteceu e me mandou mensagens de apoio a mim e de repúdio ao comportamento de alguns no clube”, comentou. “Agora estaremos bem mais fortes e unidos cada vez mais na luta intensa contra o racismo e toda forma de preconceito e toda forma de discriminação”, concluiu.

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul abriu inquérito para investigar o caso de racismo. Segundo a delegada Andrea Mattos, os investigadores tiveram acesso a um vídeo em que é possível ouvir ofensas racistas contra o músico. “Eu recebi um vídeo, em que ele teria sido chamado de macaco. (….) Nós recebemos diversas denúncias, de diversas pessoas, além, claro, de tudo que tem nas redes sociais”, relata. O material já está sendo analisado por profissionais da Delegacia de Combate à Intolerância”, disse ela à CNN.

De acordo com a delegada, Seu Jorge não registrou ocorrência pelo crime, mas isso não é necessário em casos de racismo. “Racismo independe da representação da vítima. Ele atinge não só a pessoa, a vítima direta, mas irradia efeito sobre toda coletividade”.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments