O brincar na favela: estudo mostra que com violência e COVID, eletrônicos são o passatempo principal na primeira infância

0
O brincar na favela: estudo mostra que com violência e COVID, eletrônicos são o passatempo principal na primeira infância
Foto: UNESCO

As favelas apresentam vários cenários de crise política, sanitária, de combate as drogas só para citar alguns. Nesse mesmo ambiente abandonado pelo Estado, nascem muitos brasileirinhos.  Como é a primeira infância dessas crianças? “O Brincar nas Favelas Brasileiras” é um estudo realizada pelo movimento Unidos pelo Brincar em parceria com o instituto de Pesquisa Locomotiva e o Data Favela com a proposta de entender o cenário onde essas crianças crescem, incluindo, aí a alteração da rotina por conta da COVID. O recorte de idade do estudo foi crianças até os 6 anos de idade.

Os dados foram obtidos ao longo de 14 dias com interações diárias e observações sobre o brincar com 12 mulheres entre 18 e 43 anos de São Paulo (SP), Recife (PE) e Porto Alegre (RS), que também participaram de grupos de discussões nesta fase qualitativa da pesquisa. Em seguida, na fase quantitativa, foram realizadas entrevistas com mais de 800 progenitoras a partir de 16 anos em todas as regiões do Brasil.

Nos lares das famílias pesquisadas, a grande maioria tem mulheres, as mães como chefe de família. Desse grupo, 30% estão desempregadas e garantem o sustento com ajuda de terceiros. Entre quem tem renda, a média de remuneração é de R$ 827,25 por mês – menos de um salário-mínimo (R$ 1.045,00) no país. Em sua maioria, elas são negras, solteiras e concluíram os estudos até o Ensino Médio.

Essas mulheres estão esgotadas e isso afeta a disposição e falta de tempo, na hora de brincar com seus pequenos. Não tem como pedir coisas pelo aplicativo, nem escola para levar essas crianças.  88% das mães recorrem a telas, especialmente a da televisão, para conciliar as atividades rotineiras e, por diversas vezes, não conseguem ter controle sobre o conteúdo acessado. Uma das consequências desse impasse é que a publicidade acaba conquistando o público infantil ao desenvolver um maior desejo de consumo nos pequenos, segundo 50% das participantes.

92% das mães reconhecem que os eletrônicos não são o melhor meio de estudar seus filhos. Elas têm ciência da importância da brincadeira para o desenvolvimento intelectual, social, educacional e físico.

A carência de projetos culturais e espaços públicos disponíveis nas comunidades, como parquinhos, praças e quadras, chama a atenção: 85% das mulheres apontaram que as crianças têm brincado, sobretudo, no quintal ou dentro de casa; 72% das mães têm receio de deixá-las se divertir na rua por conta da presença de usuários de drogas; e 64% temem a violência nas regiões em que moram.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display