“Nunca foi sorte, sempre foi Exu”: Paulinho e a quebra do estereótipo do futebolista cristão conservador

0
“Nunca foi sorte, sempre foi Exu”: Paulinho e a quebra do estereótipo do futebolista cristão conservador
Imagem: Jörg Schüler

Paulo Henrique Sampaio Filho, conhecido como Paulinho, jogador do Bayer Leverkusen (Alemanha), escreveu uma carta para o site The Player Tribune falando sobre como enxerga os problemas do Brasil, preconceitos e amor ao futebol.

Paulinho esquerda Vasco politica
Imagem: Thiago Ribeiro/Agif/Gazeta Press

O que chama atenção na carta do jogador é a forma articulada de falar abertamente sobre o candomblé em um meio dominado pelo cristianismo, conservadorismo e ausência de posicionamento claro sobre os problemas do país. Cada palavra vinda da carta de Paulinho é alento para quem busca vida inteligente no futebol.

Entre histórias sobre a infância, Paulinho mostra admiração ao Vasco da Gama, clube que o projetou nacionalmente e frisa  o aspecto vanguardista da instituição em relação à luta contra o preconceito. “O Colégio do Vasco da Gama, então, merece um capítulo à parte. É onde a gente aprende o que faz dessa instituição tão especial. O Vasco é o clube que cresceu por acolher a diversidade e aceitar as diferenças. Eu me identifico plenamente com esses valores”, escreveu.

Em entrevistas que costumam ser permeadas por proselitismo religioso genérico para evitar polêmicas com a massa fanática de maioria cristã. Paulinho não nega origens e a espiritualidade oriunda de sua ancestralidade preta. “Minha família tem ligação forte com o candomblé e a umbanda. Minha avó, minha mãe, minha tia… É algo que passa de geração para geração. Tenho muito orgulho da minha religião. “Se bem que…Religião, não. Prefiro chamar de filosofia de vida”, declara o atleta.

Todo o ano, fora das bolhas diretamente atingidas, o Brasil encara com naturalidade o racismo religioso que sai da boca de celebridades e de cristãos fanatizados. O futebol abriga personalidades que poderiam abraçar a causa da tolerância religiosa, mas preferem se calar. Para o jogador de 21 anos, a questão é íntima. “Uma coisa bem pessoal, que toca o meu coração. Sou eu comigo mesmo, entende? Cultuar essa filosofia me traz muita energia boa, muito axé. Como assentado e praticante, vou ao meu pai de santo sempre que estou no Brasil e peço proteção aos orixás, principalmente ao meu Pai Oxóssi e à minha Mãe Iemanjá. Exu é o caminho. Procuro saudá-lo antes de cada obrigação, de cada partida. Laroyé!”, saúda.

“Por tudo que nosso país já sofreu, temos não só o preconceito com religiões de matriz africana, mas também de outras naturezas, como de raça, gênero e orientação sexual”, reflete Paulinho, que hoje tem mais de 500 mil seguidores no Instagram. O que defendo, como uma pessoa que tem voz, é que eu não posso me dar o direito de permanecer calado. De não me posicionar diante de preconceitos e negligências”, diz.

“Ah, tá com a vida ganha’ Isso é o que muitos dizem sempre que eu manifesto alguma opinião sobre política. Não importa se sou um jogador de futebol que atua no exterior. Nada a ver com dinheiro ou patriotismo. Eu faço parte da sociedade. Continuo sendo um cidadão brasileiro, que se emociona ao ouvir o hino nacional”, escreve o lúcido Paulo Henrique.

O Brasil enfrenta a Alemanha pelas Olimpíadas amanhã em Yokohama e a estreia representa o pico (até aqui) na carreira de Paulinho. “Nunca foi sorte, sempre foi Exu. Axé!”, conclui.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display