‘Naomi Osaka: Estrela do Tênis’ passa rápido em instigante história da tímida e carismática atleta

0
‘Naomi Osaka: Estrela do Tênis’ passa rápido em instigante história da tímida e carismática atleta

Naomi Osaka tem apenas 23 anos, mas já é uma das atletas mais conhecidas da atualidade, sendo vencedora de quatro Grand Slams e sendo a primeira tenista asiática a liderar o ranking mundial. Mas não é sobre as conquistas dentro de quadra que reside o foco do documentário “Naomi Osaka – Estrela do Tênis” da Netflix.

Naomi Osaka é eleita uma das 50 pessoas mais influentes do mundo - Todos  Negros do Mundo
Imagem: Reprodução/Netflix

Dirigido pela experiente documentarista Garret Bradley (‘Time’), o documentário acompanha a vida da tenista ao longo de dois anos, divididos em três episódios que passam rápido, visto a figura interessante que é Osaka. A diretora escolhe por deixar a narração por conta da  retratada, com algumas poucas falas das pessoas que a cercam (pais, irmã, treinadores). Essa escolha faz com que vejamos de forma mais íntima a forma com que Naomi encara o mundo, com reflexões simples e diretas sobre como enxerga sua trajetória e como sente o processo de interação com o mundo após virar uma estrela mundial.

A câmera mostra sua protagonista em festas de família, mudança de casa e durante partidas importantes. Em todas as situações fica a impressão que a campeã está constantemente desconfortável dentro da situação, com exceção de quando participa dos protestos do Black Lives Matter.

Justamente no trecho final, quando mostra a decisão da tenista de usar sua plataforma para falar sobre racismo, nacionalidade e dúvidas existenciais, a produção cresce. Naomi reflete sobre sua condição de japonesa negra que é questionada pelos dois lados quanto à sua raça, a dor de ter perdido um amigo, o astro da NBA Kobe Bryant (morto em janeiro de 2020 em acidente de helicóptero) e se sua vida está mesmo sob seu pleno controle.

É possível sentir um certo desconforto pela personagem e sua sensação de inadequação em ensaios fotográficos e entrevistas. A torcida é para que ela consiga logo sair dali e entrar em quadra ou ir para casa. Curiosamente, pouco antes do lançamento do documentário, Naomi Osaka abandonou o Aberto da França por se sentir mal em dar entrevistas após os jogos.

Filha de mãe japonesa e pai haitiano, Naomi é mostrada como uma mulher que ainda questiona seu lugar no mundo, mas sem negar nenhuma de suas origens e mesmo sem demonstrar personalidade expansiva, impõe sua voz. Os três episódios passam rápido e devido à complexidade da personagem passa longe de soar como uma obra precoce, como pode acontecer ao se retratar jovens personalidades surgindo para o mundo.

Disponível na Netflix.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display