“Mulher, negra e pró-Lula”: Esse é o perfil do brasileiro que mais toma vacina

0
“Mulher, negra e pró-Lula”: Esse é o perfil do brasileiro que mais toma vacina
Foto: Freepik

Novo levantamento do SoU_Ciência mostra elites brancas e evangélicos mais descrentes da vacina, da ciência e das universidades públicas do que outros segmentos

O levantamento nacional de opinião mais recente, realizado entre julho e agosto de 2022, pelo Centro de Estudos SoU_Ciência, permitiu identificar algumas tendências de comportamento da população brasileira em relação ao tema das vacinas e uso das máscaras, entre outros assuntos relacionados à pandemia. Mais pobres, menos letrados e negros, confiam mais na ciência, na vacina e no SUS, enquanto mais ricos, mais letrados e brancos estão mais descrentes.

O levantamento aponta que entre os que não tomaram vacina ou apenas uma dose são: 41% dos mais ricos, 32% dos com ensino superior, 29% dos brancos e 29% dos homens. Enquanto os mais pobres, menos letrados, mulheres e negros tiveram níveis de adesão superiores.

De acordo com a professora Soraya Smaili, uma das coordenadoras do Centro de Estudos “a porcentagem negacionista ou apenas displicente se concentrou na alta renda e nível superior de escolaridade. O corte ideológico, pró-Lula ou pró-Bolsonaro, é outro marcador relevante”, explica.

A pesquisa mostrou que fatores políticos influenciaram as decisões sobre a vacinação e o uso de máscara no contexto da pandemia, em especial relacionados ao apoio ou não ao atual governo federal. 37% dos eleitores de Bolsonaro declararam ter tomado apenas uma ou nenhuma dose da vacina, contra 10% dos eleitores de Lula. O levantamento também apontou diferenças regionais: moradores do Centro-Oeste do país são os que indicam menor adesão à estratégia da vacinação contra Covid-19 (30% das pessoas).

Infográfico da Sou Ciência (Divulgação)

Nesta mesma pesquisa, 1⁄4 da população brasileira com mais de 16 anos declarou ter tido Covid, com destaque para as pessoas com 50 anos ou mais (38%). Entre as pessoas que declararam ter tido Covid-19 ao menos uma vez, além das pessoas com mais de 50 anos, destacam-se as de maior escolaridade (31% com ensino superior) e maior renda (42% das pessoas com mais de 6 salários mínimo). Os dados também revelam que quase o dobro de homens precisou ser internado se comparado a mulheres (22 a 12%).

Pedro Arantes, um dos coordenadores do SoU_Ciência, explicou que há diversas variáveis a serem consideradas, como a facilidade ou não de acesso à rede hospitalar, apesar da ampla cobertura que o SUS alcançou para internações em vários estados. “Mesmo sem considerar essa possível restrição à demanda por internação, o dado do levantamento é ainda relevante para destacar, que homens, mais ricos e mais instruídos foram ao mesmo tempo os que optaram por serem os menos vacinados e os que acabaram sendo os mais internados. Dados epidemiológicos e de internação também confirmaram essa correlação”, ressaltou.

Infográfico da Sou Ciência (Divulgação)

Do total dos entrevistados, 3% indicaram ter usado medicamentos do kit, como cloroquina e ivermectina. Já, 21% declararam que sabem não existir qualquer recomendação científica para o seu uso. No entanto, a adesão ao kit cresce entre bolsonaristas. 28% que disseram ter sido infectados entre os que avaliam como ótimo ou bom o atual governo federal, 9% tomou o kit. Já entre os que consideram a gestão Bolsonaro ruim ou péssima, dos 20% infectados apenas 0,18% tomaram o kit. Entre os 25% de evangélicos e 22% de católicos infectados, há também diferença relevante: 7% dos evangélicos tomou o kit contra apenas 1% dos católicos.

Infográfico da Sou Ciência (Divulgação)

A melhor avaliação do governo na condução da pandemia advém dos segmentos: homens, brancos, com mais de 40 anos, moradores do Centro-Oeste, evangélicos, de nível superior, com mais de 6 salários mínimo. Dos eleitores de Bolsonaro: 74% consideram a condução na pandemia ótima e boa, contra menos de 2% de aprovação entre eleitores de Lula. Já entre eleitores de Ciro, 43% consideram a condução regular.

Os dados do levantamento mostram que a polarização política na sociedade brasileira tem marcadores de classe, gênero, raça, religião e faixa etária importantes. 46% dos mais ricos consideram a atuação do governo como boa ou ótima, diante de apenas 14% dos entrevistados com até 1 salário mínimo de renda. Segundo Pedro Arantes, essa diferença de percepção é decorrente das diferentes condições socioeconômicas: “Os mais ricos tiveram como se proteger melhor na pandemia, pois moram melhor, puderam em geral trabalhar em home office e receber em casa por entrega o que necessitavam. As pessoas mais pobres foram as mais expostas, mais penalizadas com perda da renda, com a volta da fome, com a falta de espaço adequado para ficarem isoladas em casa, com as dificuldades de estrutura para suas crianças estudarem online”.

A pesquisa também constatou que a maioria das mulheres (55%) consideram que a condução do governo foi ruim ou péssima, frente a um percentual menor que a metade dos homens (43%).

Infográfico da Sou Ciência (Divulgação)

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display