Mulher é vítima de racismo no shopping de Campinas: “Aqui tá cheio de preto”

0
Mulher é vítima de racismo no shopping de Campinas: “Aqui tá cheio de preto”
Foto: Diogo Zacarias

Aline Cristina Nascimento de Paula, de 28 anos, foi ao Shopping Parque das Bandeiras, no sábado (9), com o marido, a mãe e amigos quando a filha de um deles pediu para brincar no playground. 

“Quando eu entrei no playground, a mulher ficou furiosa. Ela chamou o filho: ‘vamos embora que esse lugar está cheio de preto’. Eu fiquei um minuto parada e ela continuou gritando: ‘vamos embora porque tá cheio de preto aqui’. Aí, eu peguei e fui para a porta: ‘O que é que você está falando, moça? O quê? Não tô entendendo’. Ela disse: ‘É isso mesmo. Esse lugar tá cheio de preto. Preto não gosta da gente’. Eu retruquei: ‘Moça, vai embora agora. Vai embora que você está sendo racista’. E ela disse: ‘Eu sou racista mesmo!’”, relembra Aline, em reportagem ao Correio Popular.

A analista de Recursos Humanos falou com o marido e os amigos e eles procuraram pela administração do shopping e chamaram a polícia.

A mulher foi presa em flagrante e encaminhada à 2ª Delegacia de Defesa da Mulher para registrar a ocorrência. Aline foi acompanhada por testemunhas e o fato foi registrado como injúria racial. Para a acusada foi estipulada uma fiança no valor de R$ 1,5 mil, que foi paga na hora. “Nossa legislação é muito falha”, lamentou Aline. “Eu me senti um lixo. Porque, além disso, ela não demonstrou qualquer sentimento de culpa.”

Antes de irem para a delegacia, a vítima disse ainda que a mãe da mulher apareceu no estacionamento do shopping e lhe pediu para que não denunciasse a sua filha. Segundo a analista, em outro momento, a mãe pediu que a filha pedisse desculpas a Aline, mas a agressora se negou. “Perdão pelo quê? Não fiz nada! Não falei nada.”

De acordo com o Código Penal, o crime de injúria racial é previsto no 3º parágrafo do artigo 140, e prevê de um a três anos de reclusão, mais multa. 

Posicionamento

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, “a injúria racial trata de injuriar, ofender a dignidade ou o decoro de uma pessoa utilizando elementos de raça, cor, etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência. O crime de racismo, previsto na Lei nº 7.716/1989, implica em conduta discriminatória dirigida a um determinado grupo ou coletividade. Nesses casos, cabe ao Ministério Público a legitimidade para processar o ofensor.”

Em nota, o shopping onde ocorreu o caso informou que prestou toda a assistência à vítima e reforçou “que não tolera qualquer tipo de discriminação em suas dependências e que possui valores como ética, humildade e transparência”.

Com informações do Correio Popular

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display