Movimento antirracista cresceu no Brasil após morte de George Floyd, diz pesquisa

0
Movimento antirracista cresceu no Brasil após morte de George Floyd, diz pesquisa
Mural de George Floyd no local de sua morte em Minneapolis Foto de: Caroline Yang para o New York Times

Segundo a Zygon AdTech o levantamento que ocorreu entre os meses de maio, junho e julho de 2020 apontou que o pico de engajamento ao movimento “Vidas Negras Importam” já registrou 1,6 milhão de tweets em um só dia no país.

O estudo foi iniciado no dia 12 de maio (véspera da celebração da abolição da escravatura no Brasil) e analisou o engajamento, perfil dos usuários e os conteúdos dos movimentos antirracistas no twitter, em 4 etapas diferentes. Foram elas: de 12/05 a 26/05 Período anterior ao caso do George Floyd, de 27/05 a 07/06 no momento de maior repercussão do caso, 08/06 a 19/06 após a alta do caso, e de 20/06 a 19/07 na “nova fase” do movimento.

Analisando esses períodos foi possível entender que, mesmo após o momento de maior repercussão do caso na mídia e nas redes sociais a média de publicações diárias que remetem ao movimento antirracista teve um aumento de 46%. Indo de 8,2 mil (pré manifestações e mobilizações nas rede) para 12,1 no (pós manifestações e mobilizações) os número do pós se mantiveram estáveis e é hoje considerado o “novo normal” do movimento.

Embora o caso de George Floyd tenha sido o estopim para as discussões raciais nas mídias digitais e tradicionais, apenas 7,7% do total de publicações citavam o nome dele. Lembrando que aqui no Brasil, uma semana antes da morte de George Floyd, já se falava sobre a morte de João Pedro, menino de 14 anos, morto a tiros dentro de casa durante ação policial.

Casos como o de George Floyd ocorrem todos os dias no Brasil, aqui a cada 23 minutos um jovem negro é morto e na maioria dos casos, pelas mãos dos agentes de segurança. No Brasil, os assuntos mais populares que dão início aos debates raciais são violência (28,9%) e manifestações de rua (15,4%).

Em aprofundação da pesquisa, foi possível ter acesso aos perfis das pessoas que levantavam as # e mediavam debates de combate ao racismo nas redes sociais durante esses períodos.  E além dos ativistas e influencers negros estavam os adolescentes fãs de cultura oriental (K-pop ou mangá).

Além do assunto estar sendo mais debatido na mídia, e mais pessoas e empresas estão se comprometendo com a luta antirracista, os jovens passaram a se engajar mais com a causa após os tristes acontecimentos de 2020, de forma que mantém o assunto no topo dos mais comentados e pressiona a sociedade para mudanças.

Lucas Reis, CEO da Zygon AdTech comentou sobre esses resultados e a importância da pesquisa “A discussão antirracista mudou de patamar no Brasil, e este estudo ajuda a quantificar isso. Achamos que é importante pra sociedade que esse assunto tenha maior repercussão, e ficamos orgulhosos em contribuir para esse debate com um estudo feito por uma equipe majoritariamente formada por pessoas negras (…)”

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display