Modus operandi em dois atos: de George Floyd a Genivaldo Santos

0
Modus operandi em dois atos: de George Floyd a Genivaldo Santos
George Floyd e Genivaldo Santos. Foto: Reprodução.

O dia 25 de maio carrega consigo o peso da morte por falta de ar. Na mesma data, em anos diferentes, George Floyd, nos Estados Unidos e Genivaldo Santos em Sergipe, no Brasil, foram brutalmente assassinados em vias públicas de seus países. Chama atenção a semelhança, não somente de datas, mas do modus operandi que circunda a morte dos dois: ambos assassinados por asfixia por agentes policiais.

Nos Estados Unidos, o caso gerou uma comoção que se estendeu para além das fronteiras do país, que se viu em chamas após a morte de Floyd, escancarando a dor pela qual a população negra em todos os cantos do mundo não aguenta mais passar. Seu assassino foi condenado e passará 22 anos na cadeia.

Em Umbaúba, interior de Sergipe, cidade de Genivaldo e também cenário de sua morte, o fogo também traduziu a revolta da população. Uma barricada de pneus incendiados fechou a BR-101, a principal do país e que passa pela cidade. Moradores e movimentos sociais ocuparam as ruas onde não se pode andar tranquilo para dizer que já basta.

No noticiário, várias são as explicações que tentam justificar a morte de Genivaldo. Nenhuma explica nada, além do que se vê nas difíceis imagens que circularam por todo o Brasil: um homem com esquizofrenia foi abordado de forma truculenta e colocado em uma câmara de gás improvisada no porta-mala de uma viatura. Não sem antes sofrer manobras de sufocamento mecânico, com o cotovelo do policial sobre sua garganta.

Em nota, a PRF alega ter usado manobras de “menor potencial ofensivo” e que Genivaldo “passou mal” no caminho para a delegacia. Se não fosse um descaso tão grande com a dor de sua família, da população que assistiu a esse horror e de todo o povo preto no Brasil e no mundo, seria risível.

Os dois casos ilustram o que há muito já sabemos: não é seguro ser negro no Brasil e em nenhum pais orientado por uma lógica branca de manutenção da “ordem” a partir da aniquilação de nossos corpos. Não existe caso isolado, existe um projeto bem coordenado e articulado que nos mata diariamente, em situações semelhantes, de formas parecidas, pelas mãos de uma polícia que tem, como diz o lema da Polícia Rodoviária Federal, “orgulho de pertencer”, servir e manter esse projeto de extermínio.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display