Dezenas de edifícios em Minneapolis, Estados Unidos, foram arrombados, saqueados e queimados na noite de quarta-feira (27/05) e no início da manhã de quinta-feira(28/05). As autoridades lutaram para conter as reações da comunidade negra, que começaram após protestos pela morte de George Floyd.

George Floyd é um homem negro, morador de Minneapolis que foi covardemente assassinado por um policial branco no começo da semana.

Em um vídeo do incidente, o homem é ouvido dizendo aos policiais: “Não consigo respirar” e pedindo água. O FBI foi chamado para investigar o caso e quatro policiais foram demitidos .

A comunidade negra de Minneapolis se inflamou após o acontecido e durante protestos as autoridades puderam sentir a fúria da insatisfação com a situação. Confira imagens:

Em videos, é possível notar que os manifestantes apedrejaram também o posto policial da cidade durante a manhã.

A policia local fortificou os arredores da residencia do policial que matou George Floyd. Em um vídeo, divulgado nas redes sociais, é possível contar mais de 70 oficiais.

 

Infelizmente mais um dos nossos morreu, mas a luta por justiça, promovida pela comunidade negra de Minneapolis, nos mostra, mais uma vez, uma grande potência de resistência. O Brasil precisa muito aprender a reagir ao assassinato dos nossos. Usar da mesma potência ou até mais e isso só será possível com apoio da população e o despertar da consciência racial dos nossos.

Fomos condicionados historicamente a passividade diante de nosso genocídio. Não temos movimentos assim, aqui no Brasil, por falta de apoio popular e a normatização de nossas mortes.

Note, toda vez que fazemos protestos a policia está lá, pronta para nos impedir e com o auxilio da mídia tradicional, nos colocar enquanto vândalos e não combatentes em busca de justiça. Ficamos desamparados pela mídia e pela população. Nossos movimentos fazem o possível e o impossível para lutar pelos nossos, mas falta apoio.

Que Minneapolis sirva de exemplo para o Brasil e o resto do mundo quanto a resistência e luta por justiça pelos nossos.

 

Comments