Haiti: a magia ancestral vodu e a Revolução

0
936
Foto de Luis Alcalá Del Olmo

Haiti é a primeira e única república negra do continente americano marcado pela escravidão criada para o bem-estar branco. 
O melhor exemplo de onda negra, medo branco!

Texto do professor e escritor Carlos Machado

Bois Caïman (crioulo haitiano: Bwa Kayiman) é o local da cerimônia de Vodu haitiano, durante a qual a primeira grande insurreição de trabalhadores forçados da Revolução Haitiana foi planejada. Na noite de 14 de agosto de 1791, cativos representantes de plantações próximas se reuniram para participar de uma cerimônia secreta realizada nas florestas perto de Le Cap, na então colônia francesa de São Domingos. Presidido por Dutty Boukman, um proeminente líder de seres humanos escravizados e sacerdote de Vodu, a cerimônia serviu tanto como ritual religioso quanto como reunião estratégica quando os conspiradores se encontraram e planejaram uma revolta contra os colonos brancos da rica Planície do Norte da colônia.
A seguinte oração, feita por Duty Boukman, foi atribuída àquela noite, traduzida como:

“Bom Senhor, que fez nascer o sol que brilha sobre nós, que se eleva do mar, que faz rugir o furacão e governa os trovões:

“O Senhor está oculto nos céus e ali nos vigia. O Senhor vê o que os brancos fizeram. Seu deus comanda os crimes, o nosso nos dá bênçãos. O bom Deus ordenou a vingança. Ele dará força aos nossos braços e coragem aos nossos corações. Ele nos susterá. Derrube a imagem do deus dos brancos, porque ele faz as lágrimas fluírem dos nossos olhos. Ouça a Liberdade que fala agora em todos os seus corações.”

Nos dias seguintes, toda a planície do norte estava em chamas, enquanto os revolucionários conduziam atos de revolta contra aqueles que antes os escravizavam.

Enevoados em mistério, muitos relatos da cerimônia catalítica e seus detalhes particulares variaram desde que foi documentada pela primeira vez na “História da Revolução de Saint-Domingue” de Antoine Dalmas em 1814. A cerimônia é considerada o início oficial da Revolução Haitiana que fez 215 anos em 2019.


Este trecho da “História do Haiti e da Revolução Haitiana” oficial serve como um resumo geral dos eventos cerimoniais que ocorreram:
Um homem chamado Boukman, outro houngan (ogã), organizou em 24 de agosto de 1791 uma reunião com os homens nas montanhas do norte. Esta reunião tomou a forma de uma cerimônia de vodu Bois Caïman nas montanhas do norte da ilha. Estava chovendo e o céu estava furioso de nuvens; as mulheres e os homens começaram então a confessar seu ressentimento de sua condição. Uma mulher começou a dançar languidamente na multidão, tomada pelos espíritos dos loas. Com uma faca na mão, cortou a garganta de um porco e distribuiu o sangue para todos os participantes da reunião, que juraram matar todos os brancos da ilha.


Primeiramente documentado por Dalmas, o seguinte trecho fornece os primeiros detalhes do sacrifício:
Um porco preto, cercado pelos escravizados acredita ter poderes mágicos, cada um carregando a oferta mais bizarra, foi oferecido como um sacrifício para o espírito todo-poderoso … A comunidade religiosa na qual o nègres corta sua garganta, a cobiça com a qual acreditavam ter se marcado na testa com seu sangue, a importância que atribuíam a possuir algumas de suas cerdas que acreditavam que as tornariam invencíveis.
O livro: História da Revolução de Saint-Domingue, 1814 por Antoine Dalmas dá alguns relatos conflitantes da cerimônia.

O crioulo negro, embora nativo da ilha, sendo domesticado séculos antes pelos tainos, foi um sacrifício e um símbolo de Ezili Dantor, a mãe do Haiti que se assemelha às cicatrizes de Daomé das Ahosi ou Mino, que significa “Nossas Mães” no idioma fon. Era uma mistura das tradições do exército feminino do Daomé (lembra das Dora Milaje do filme Pantera Negra?), que era a etnia de muitos dos escravizados em Saint Domingue, com os Tainos, que haviam fugido para as altas montanhas do Haiti (o Haiti significa montanhas altas em Taino) para escapar do genocídio colonial espanhol.


Um porco preto, cercado pelos escravizados acredita ter poderes mágicos, cada um carregando a oferta mais bizarra, foi oferecido como um sacrifício para o espírito todo-poderoso … A comunidade religiosa na qual o nègres corta sua garganta, a cobiça com a qual Acreditavam ter se marcado na testa com seu sangue, a importância que atribuíam a possuir algumas de suas cerdas que acreditavam que as tornariam invencíveis. O livro: História da Revolução de Saint-Domingue, 1814 por Antoine Dalmas dá alguns relatos conflitantes da cerimônia.

O crioulo negro, embora nativo da ilha, sendo domesticado séculos antes pelos tainos, foi um sacrifício e um símbolo de Ezili Dantor, a mãe do Haiti que se assemelha às cicatrizes de Daomé das Ahosi ou Mino, que significa “Nossas Mães” no idioma fon. Era uma mistura das tradições do exército feminino do Daomé (lembra das Dora Milaje do filme Pantera Negra?), que era a etnia de muitos dos escravizados em Saint Domingue, com os Tainos, que haviam fugido para as altas montanhas do Haiti (o Haiti significa montanhas altas em Taino) para escapar do genocídio colonial espanhol.

Este evento cerimonial tem sido considerado por muitas fontes brancas cristãs conservadoras como o “pacto com o diabo” do Haiti que desencadeou a revolução. Eles foram influenciados pela teologia da “guerra espiritual” e preocupados com o fato de o governo de Aristide ter feito esforços para incorporar mais plenamente o Vodu ao processo político. Estes evangélicos desenvolveram uma contra-narrativa para a história nacional oficial. Nesta narrativa, os espíritos ancestrais no cemitério de Vodu foram refundidos como “demônios”. Na opinião deles, o envolvimento com os demônios resultou em um pacto que colocou o Haiti sob o domínio de Satanás.

Enquanto alguns evangélicos haitianos concordam com essa ideia, a maioria dos nacionalistas haitianos se opõe veementemente a ela. Esta crença foi referenciada pelo magnata da mídia cristã o branco Pat Robertson em seus comentários controversos durante o terremoto de 2010 no Haiti. Robertson declarou que o povo haitiano “foi amaldiçoado por uma coisa após a outra” desde o século 18, depois de ter prometido “um pacto ao diabo”. Os comentários de Robertson foram denunciados como falsos, ignorantes e imprudentes.

Conheça a sua história descolonize-se!

Comments

Comentários