“Eu quero caminhar com o meu trabalho”, diz Letícia Fialho, que arrebatou mais de 2 milhões de plays com ‘Corpo e Canção’

0
“Eu quero caminhar com o meu trabalho”, diz Letícia Fialho, que arrebatou mais de 2 milhões de plays com ‘Corpo e Canção’
Foto: Bruno Soares.

“Chega feito lua cheia, incendeia de feitiço…” se você já ouviu Corpo e Canção, da cantora e compositora Letícia Fialho, com certeza leu essas primeiras linhas cantando. Se não conhece, se prepare porque vai ser amor à primeira vista. Dedicada ao universo das palavras, da música e da composição, a cantora carioca radicada em Brasília tem arrebatado uma legião de ouvintes nas principais plataformas de áudio Brasil afora.

O sucesso das canções de Letícia, que têm chegado a cada vez mais pessoas, ganha um contorno especial quando se observa que as músicas que ela grava são, na absoluta maioria, compostas por ela. A posição de poder contar as próprias histórias e reivindicar esse espaço de autoria tem uma importância enorme na vida da compositora, que não abre mão de ser reconhecida como tal. “Quando falamos em palavra e em tocar um instrumento, estamos falando de narrativa, e da propriedade sobre esta narrativa, ter voz, ter autoria. A gente está sempre sendo objeto e tendo nossa história sendo contada em terceira pessoa, as mulheres negras principalmente”, avalia.

Para ela, todas as guerras, conflitos e disputas existentes na história do mundo passam pela narrativa. “Compor é produzir narrativa, é pegar pra si um pouco da História e dizer: eu vou contar, vou dizer, eu vou sentir, vou falar o que eu poderia sentir, ou falar o que eu nem senti e nem vivi, mas eu imaginei, mas eu criei e tenho aqui uma onda estética e poética e vou criar mundos a partir da palavra”, complementa.

Hoje com 32 anos, Letícia começou a compor aos 12 anos de idade. “Eu lembro que achei em casa ‘A Hora da Estrela’, de Clarice Lispector e ‘Uma Antologia Poética’, de Vinícius de Moraes. Nem fazia ideia de quem eram esses nomes e aí minha cabeça explodiu, porque despertei para o universo da poesia, descobri que era possível se expressar dessa forma”, relembra.

Carta de Fogo

Seu último álbum, Carta de Fogo, lançado em 2021, foi gravado durante o período mais duro da pandemia. Durante este trabalho, Letícia se desafiou a gravar todos os instrumentos do disco. Tanto pela impossibilidade de se reunir com outros musicistas, como também pelo desafio de ver onde isso poderia dar.

O trabalho, riquíssimo do ponto de vista da linguagem, permite uma viagem pelas diversas possibilidades do fogo e nos leva nessa jornada de poesia, som e imaginação com uma qualidade emocionante de ver e sentir.

Para os próximos passos, o que Letícia deseja é poder circular seu trabalho pelo Brasil e pelo mundo. “Eu não sei onde eu quero chegar, mas eu sei que eu quero caminhar com o meu trabalho”, avisa. “Nosso objetivo é levar a música, e levar a gente, poder trabalhar com essa expansão, ir para os lugares e poder todos os dias dizer que tem tal show em tal lugar”, planeja.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display