Educação antirracista começa em casa

0
Educação antirracista começa em casa
Foto: Reprodução.

Por Movimento Black Money

Em um país ainda marcado pelo abismo racial e de renda, entender e desenvolver uma educação antirracista é fundamental para que justiça e sociedade caminhem juntas. Enquanto 74% dos jovens brancos concluíram o ensino médio com até 19 anos, essa é a realidade para apenas 53,9% dos negros e 57,8% dos pardos, dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb/Inep) de 2017 tornam ainda mais nítida essa disparidade racial, uma vez que na época, 59,5% dos estudantes brancos cursando o 5º ano tiveram uma aprendizagem em matemática tida como adequada e somente 29,9% dos negros se encaixaram no mesmo quadro.

Ou seja, a educação antirracista vai muito além de aplicar a lei 10.639, que inclui no currículo oficial da educação básica a obrigatoriedade da temática história e cultura afro-brasileira e indígena. A lei é muito importante, mas é preciso reconhecer que o racismo estrutural existe, inclusive, no ambiente escolar.

Há quanto tempo você está esperando a escola oferecer educação antirracista para as crianças?

Se você convive de perto com crianças negras já deve ter ouvido alguma situação de discriminação racial e muito possivelmente, essa situação pode ter acontecido no ambiente escolar. Você já parou para refletir em como as escolas lidam com racismo?

Partindo do pressuposto de que escolas privadas são empresas, você consegue se lembrar de instituições de ensino que tenham programas de recrutamento e seleção com recorte racial? Pois é, se um dos primeiros passos para tornar uma empresa diversa e inclusiva não estiver sendo executado, isso por si só já é um ponto de atenção bastante importante. 

Se a educação de uma criança negra está sendo confiada a uma instituição que não toma ações concretas no combate ao racismo, você realmente acredita que a escola tem a preocupação de ser um ambiente inclusivo?

O que seria uma Educação Antirracista?

“É uma educação que entende que nosso país adotou sistematicamente o projeto de calar e omitir do grande público as discussões sobre relações raciais que foram cunhadas no campo das ciências humanas, políticas e no seio do movimento negro. É tentar instruir sujeitos sobre relações raciais, não para que individualizem a questão, mas para que consigam perceber o quanto o racismo faz parte de nossa estrutura social e tenham a capacidade crítica para se colocar contra esse sistema”. disse Suzane Jardim, historiadora e mestranda em Ciências Humanas e Sociais

Isso envolve olhar para além da folclorização da produção de conhecimento da população negra, restrita a comidas, samba e capoeira.

“A história brasileira contada a partir da perspectiva da população que foi escravizada, da resistência e reexistência, é uma narrativa que não está nos livros didáticos ainda.” 

E quando isso não acontece, as consequências são perversas. As crianças deixam de querer ir à escola, o que pode levar à evasão. Ou quando continuam a frequentá-la, seguem submetidas a sucessivas violências e, portanto, têm mais dificuldades para aprender.

Já que as crianças da sua família não recebem educação antirracista na escola, é em casa, no seio familiar onde ela vai aprender a se orgulhar de sua origem, se amar e ter relações de afeto com crianças negras. 

As ferramentas já não são tão difíceis de encontrar: livros infantis de autores negros, brinquedos educativos afrorreferenciados, bonecas e bonecos negros, roupas, acessórios…e para aqueles que procuram praticidade podem confiar no Kit infantil do Clubinho Preto.

Qual a importância de falar sobre isso neste momento?

Oficialmente, o dia das crianças é comemorado em 12 de outubro no Brasil, uma data marcada com muitos presentes e diversão para os pequenos.

Para os afroempreendedores, essa é uma excelente oportunidade para vender mais e se colocar como uma marca que promove o antirracismo, pronta para construir um futuro melhor para nossa comunidade. Já para os consumidores é momento de levantar a bandeira do #BlackMoney e dar preferência por comprar de empresas de proprietários negros.

E você vai oferecer autoamor para seus filhos ou vai continuar esperando a escola? Aliás, há quanto tempo você está esperando, mesmo?Fontes:

https://revistaeducacao.com.br/2020/06/23/educacao-antirracista/

https://educacaointegral.org.br/metodologias/como-pensar-uma-educacao-antirracista/

https://novaescola.org.br/conteudo/19855/o-que-e-educacao-antirracista

Comments

No posts to display