Em homenagem a Paulinho da Viola, que comemora seu aniversário de 80 anos no próximo sábado, dia 12, Emicida e Criolo lançaram nesta quarta-feira (9) novas versões para os sucessos do consagrado sambista brasileiro. Enquanto Criolo apresentou uma nova versão de ‘Argumento’, Emicida disponibilizou o single ‘Não quero vingança’.

A ação faz parte do projeto ‘Atemporais’, do Spotify. “Ter contato com a obra do Paulinho da Viola é abrir as portas do coração para a arte e para o samba, assim como para uma expressão maior da nossa linguagem”, resume Criolo que, além de seus músicos acompanhantes, gravou a faixa com as Clarianas, grupo musical formado pelas cantoras/atrizes Martinha Soares, Naloana Lima e Naruna Costa. “As Clarianas têm um trabalho de pesquisa muito profundo. Nos conhecemos em 2016, quando eu tive a felicidade de gravar o álbum Espiral de Ilusão. Elas têm um trabalho com a voz, com o corpo e um profundo estudo e pesquisa do samba do Brasil. Para nós, é uma grande honra as Clarianas fazerem parte desse recorte, dessa singela homenagem”, diz o cantor. 

Emicida em ‘Atemporais’, do Spotify. Foto: Spotify.

“Ter contato com a obra do Paulinho da Viola é abrir as portas do coração para a arte e para o samba, assim como para uma expressão maior da nossa linguagem”, resume Criolo que, além de seus músicos acompanhantes, gravou a faixa com as Clarianas, grupo musical formado pelas cantoras/atrizes Martinha Soares, Naloana Lima e Naruna Costa. “As Clarianas têm um trabalho de pesquisa muito profundo. Nos conhecemos em 2016, quando eu tive a felicidade de gravar o álbum Espiral de Ilusão. Elas têm um trabalho com a voz, com o corpo e um profundo estudo e

“Não quero vingança tem uma mensagem muito bonita de superação, de transcender alguém que te magoou, quem te machucou, de ir além disso. E acho que isso também conversa com o hoje de alguma forma, essa coisa de você ser maior do que o que feriu você, você não se transformar no que machucou você”, explica Emicida, que trouxe os Prettos, a dupla de samba Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira, que também co-produziu a faixa. “Eles são dois estudiosos, são dois caras nerds que nem eu. A gente vive misturando nossas linguagens. Por isso, eu achei que não dava para fazer uma coisa dessa sem eles”, completa.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments